Igreja ortodoxa da Rússia rompeu relações com o patriarca de Alexandria

A Igreja Ortodoxa Russa anunciou o corte de relações com o patriarca Ortodoxo Theodore II de Alexandria e de toda a África por este ter reconhecido a nova Igreja Ortodoxa Ucraniana, independente da supervisão religiosa de Moscovo.

O Santo Sínodo da Igreja Ortodoxa Russa estipulou que é "impossível mencionar o nome do Patriarca Theodore II nas suas orações e participar de orações e comunhões", lê-se numa declaração colocada no 'site' do Patriarcado de Moscovo.

No comunicado é criticada a "decisão pessoal" do patriarca Theodore II de "reconhecer os cismáticos ucranianos", enfatizando que este não foi apoiado pelo Santo Sínodo de Alexandria e votado por todos os seus arcebispos.

O Santo Sínodo da Rússia expressa a sua "profunda tristeza" por causa do reconhecimento da Igreja Ucraniana pelo patriarca Theodore II e sublinha que a Igreja da Rússia manterá as suas relações com os arcebispos de Alexandria que não apoiaram a criação da Igreja Ucraniana Independente.

Além disso, a atividade da paróquia de Alexandria em Moscovo está agora suspensa, enquanto as paróquias russas em África não funcionarão mais sob a tutela do Patriarcado de Alexandria, estando sujeitas à autoridade do patriarca russo Kirill, de acordo com a decisão do Santo Sínodo da Rússia.

A Igreja de Alexandria é uma das mais antigas do cristianismo.

No início de janeiro, o Patriarcado de Constantinopla, que é uma autoridade no mundo ortodoxo, formalizou a criação da nova Igreja Ortodoxa Ucraniana, independente da supervisão religiosa de Moscovo.

O Patriarcado de Moscovo, que ainda possui um grande número de paróquias na Ucrânia, descreveu a decisão como ilegal e cortou os laços com Constantinopla.

Em 5 de janeiro deste ano, o patriarca ecuménico de Constantinopla, Bartolomeu I, assinou em Istambul o "tomos" (decreto) que outorga à Igreja Ortodoxa da Ucrânia a independência face à Rússia.

A Igreja Ortodoxa da Ucrânia estava vinculada à da Rússia desde 1686 e a hierarquia ortodoxa de Moscovo sempre se opôs às tentativas de separação de Kiev.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG