Hong Kong: Polícia usa tinta azul e bastões para dispersar manifestantes

Ao fim de três meses de a China ter aprovada a lei da extradição, os protestos continuam e os conflitos entre polícia e manifestantes também. Este sábado foi mais um dia de intensos conflitos.

Mais um sábado de prisões e de violência entre polícia e manifestantes depois de o dia ter começado com uma marcha pacífica.

Desta vez, as brigadas antimotim da polícia entraram numa estação de Metro para travar protestos que ali decorriam.

De bastões em punho, elementos destas brigadas arrastaram, bateram e detiveram manifestantes. O jornal britânico The Guardian divulgou ao início da noite um vídeo onde a situação está registada.

No entanto, as autoridades de Hong kong já vieram confirmar o ocorrido, justificando que apenas entraram na estação de metro depois de terem sido alertadas para o facto de haver manifestantes que estavam a destruir as máquinas de bilhetes.

De acordo com o mesmo jornal, a policia terá colocado elementos à paisana junto dos manifestantes para os tentar controlar. O certo é que as autoridades tiveram de usar tinta azul para marcar os manifestantes. Os manifestantes fizeram ainda barricadas que incendiaram ao longo de toda a cidade.

Mais uma vez, o protesto agendado para hoje tinha sido proibido pelas autoridades, mesmo assim a população saiu à rua e foram ouvidas muitas vezes a palavra resistência, como forma de apelo à não desistência da luta contra o Governo e contra a lei da extradição.

Para este domingo, os manifestantes ameaçam juntar-se ao aeroporto da cidade. Para durante a semana, ameaçam com uma greve geral.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.