Homens condenados por homossexualidade na Alemanha vão ser indemnizados

Uma lei implementada pelo regime Nazi punia os homens acusados de homossexualidade

O Governo alemão anunciou esta quarta-feira que vai corrigir uma injustiça antiga: as sentenças de milhares de homens condenados por homossexualidade, que até à data ainda possuem o registo no cadastro. Depois de analisar um relatório da Agência Federal Antidiscriminação, o ministro Heiko Mass decidiu indemnizar as vítimas de uma legislação que datava de 1871.

O regime nazi reforçou a implementação desta lei que punia os homens acusados de homossexualidade e de 1993 a 1945 cerca de 100 mil foram acusados e muitos milhares foram enviados para campos de concentração - onde muitos morreram de fome e maus tratos.

Mesmo após a guerra e até 1969, cerca de 50 mil homens foram condenados por homossexualidade na República Federal da Alemanha. E, apesar de a aplicação da lei ter sido mais leve a partir de 1969, esta continuou em vigor até 1994, altura em que finalmente foi revogada, segundo o The New York Times.

No comunicado, o Heiko Mass faz um pedido de desculpas pelas atrocidades cometidas: "Nunca podemos eliminar por completo as atrocidades cometidas pelo Estado, mas podemos reparar as vítimas. Os homossexuais que foram condenados não devem mais ter que conviver com a sombra da condenação".

Citada pelo jornal americano, a Federação de Gays e Lésbicas na Alemanha, uma organização líder dos direitos civis, aplaudiu o anúncio, dizendo que o ministro mostrou que o governo "não só pode, mas deve, limpar os nomes dos homens que foram condenados nos termos do artigo 175."

Em 2011, o Governo alemão permitiu o casamento e adoção entre casais do mesmo sexo e em 2003 decidiu construir um memorial em honra dos homossexuais perseguidos pelos Nazis, revelado publicamente em 2008, em Frente ao Memorial em honra dos Judeus assassinados na Europa.

Exclusivos