Homem condenado por matar seis pinguins

Foram ainda encontrados sem vida nove pinguins, mas o tribunal não conseguiu determinar a causa da morte

Um homem de 20 anos foi condenado a pagar uma multa no valor de 52 euros e a fazer 49 horas de serviço comunitário depois de matar seis pinguins na Austrália.

De acordo com informações de uma juíza do estado australiano da Tasmânia, citadas pelo jornal ABC, Joshua Leigh Jeffrey cometeu "um ato cruel contra pinguins vulneráveis" e não mostrou quaisquer remorsos. "Eles eram um alvo fácil", disse Tamara Jago.

Joshua estava acompanhado por outro homem no momento do crime. Ambos mataram um grupo de pinguins de espécie pequena à paulada na praia Sulphur Creek no dia 1 de janeiro de 2016. Foram ainda encontrados sem vida nove pinguins, porém o tribunal não foi capaz de definir a causa da morte.

O advogado de defesa afirmou em tribunal que o seu cliente sofre de doença mental desde criança

Eric Woehler, da associação Birds Tasmania, considerou esta decisão judicial como injusta. "Isto não vai impedir a próxima pessoa de fazer exatamente a mesma coisa no futuro. Os pequenos pinguins merecem a nossa proteção e preocupação, e eu tenho a certeza que a comunidade da Tasmânia não quer que um ataque destes se repita", criticou.

De acordo com o jornal, Greg Richardson, advogado de defesa, afirmou em tribunal que o seu cliente sofre de doença mental desde criança.

A crueldade animal na Tasmânia tem uma pena máxima de cinco anos de prisão e o pagamento de uma multa no valor de 20 mil euros.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.