Homem abatido em Paris levava colete de explosivos falso

Ministro do Interior diz que é cedo para falar de terrorismo. Incidente acontece um ano depois do ataque ao Charlie Hebdo

Um homem foi abatido a tiro por agentes da polícia hoje de manhã em frente de uma esquadra do 18.º bairro de Paris, no norte da cidade, quando tentava entrar no edifício.

Uma testemunha citada pela agência France Presse disse ter ouvido "dois ou três tiros" na rua Goutte d'Or, onde vive uma importante população de origem magrebina e africana.

O homem estava armado com uma faca e, enquanto tentava entrar no edifício, gritava "Alahu Akbar" (Alá é grande). Além disso, envergava o que parecia ser um colete de explosivos.

No entanto, mais tarde, após uma análise por uma equipa de minas e armadilhas, o sindicato da polícia informou que se tratava de um colete falso.

O homem levava também, informou depois o Ministério Público, um telemóvel e uma folha de papel com a bandeira do grupo terrorista Estado Islâmico e uma frase em árabe a reivindicar o ataque.

O caso está a ser investigado pela secção antiterrorista da Brigada Criminal de Paris e pela DGSI (Diretoria Geral para a Segurança Interna).

Uma correspondente do New York Times em Paris, Anna Polonyi, que se encontrava num apartamento em frente à esquadra, publicou no Twitter várias imagens do corpo do homem estendido no chão à porta da esquadra de polícia.

A jornalista contou à Reuters que a irmã assistiu a tudo: que os agentes da polícia lhe gritaram e que este começou a correr em direção a eles. Foi então que estes dispararam.

Os dois polícias estão, segundo o jornal Le Fígaro, a ser ouvidos.

As circunstâncias do incidente não foram divulgadas até ao momento, mas acontecem precisamente um ano após o atentado ao jornal satírico Charlie Hebdo e enquanto decorria uma homenagem às forças policiais na sede da polícia em Paris, com a presença do presidente François Hollande.

Após o incidente, as forças de segurança bloquearam o acesso a várias ruas nos arredores da esquadra e fecharam várias estações de metro. Além disso, a segurança foi reforçada nas escolas.

As autoridades dizem que nada leva a crer que o homem tinha um cúmplice.

O gabinete do ministro do Interior francês afirmou à France Info que "é muito cedo para falar de ato terrorista".

O porta-voz de Bernard Cazeneuve, Pierre-Henry Brandet, alertou para a necessidade de ser prudente e que para já "trata-se de uma agressão".

O governante confirmou que o colete de explosivos usado pelo agressor era falso e considerou que este caso é a prova de que as forças de segurança estão "vigilantes".

Ao início da tarde, Cazeneuve visitou o local com a presidente de Paris, Anne Hidalgo. "A identificação está em curso e tudo será feito para perceber as motivações deste gesto", afirmou o ministro.

O incidente é semelhante a um outro que aconteceu em dezembro de 2014 na esquadra de Joué-lès-Tours.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...