Historiador diz ter descoberto "a primeira autobiografia de Hitler"

Livro assinado por um herói de guerra alemão, que traçava o perfil de Hitler, terá sido afinal da autoria do próprio, numa manobra secreta para se promover ainda antes de publicar 'Mein Kampf'

A primeira biografia de Hitler, que o apresenta como o "salvador da Alemanha" e o compara ao Messias pode, afinal, ter sido escrita pelo próprio: um historiador escocês garante ter encontrado provas de que a obra do aristocrata alemão Victor von Koerber - Adolf Hitler: A Sua Vida e os Seus Discursos numa tradução literal - foi afinal escrita por Hitler numa tentativa de se autopromover.

À AFP, o historiador Thomas Weber, da Universidade de Aberdeen, contou que descobriu num arquivo sul-africano documentos que indicam que terá sido Hitler a compilar os próprios discursos numa biografia cujos textos referem que a palavra de Hitler deveria tornar-se na "bíblia" de então, recorrendo a termos como "sagrado" e "libertação". No livro, o ditador nazi chega a ser comparado a Jesus Cristo, como se o despertar político de Hitler fosse uma ressurreição.

"Descobrir que foi afinal escrito pelo próprio Hitler demonstra que ele era um operador político conivente, com um entendimento magistral das narrativas e dos processos políticos, muito antes de ter redigido aquela que é considerada a sua primeira autobiografia, Mein Kampf", disse Weber à agência de notícias. O livro foi publicado em 1923, o que demonstra, segundo o historiador, que Hitler era perito em manipulação logo no início da carreira política, já que pretendia apresentar-se nesta obra como o "salvador" do país, numa manobra secreta de autopromoção.

Documentos na África do Sul

Weber, que é professor de história e assuntos internacionais e leciona também na Universidade de Harvard, revelou que encontrou as provas de que o livro de Koerber foi escrito por Hitler ao rever os documentos de Victor von Koerber na Universidade de Witwatersrand, em Joanesburgo, quando estava a compilar informação para escrever sobre a forma como Hitler ascendeu ao poder. O historiador acredita que o próprio Koerber foi selecionado por Hitler devido à ascendência aristocrata e porque tinha, na altura, excelente reputação como um herói de guerra. "Encontrei um testemunho assinado, dado sob juramento, da mulher do editor do livro garantindo que Victor von Koerber não tinha escrito a obra e que Hitler tinha pedido ao general Ludendorff [que estivera envolvido no Putsch de Munique, tentativa de golpe de Estado nazi] para encontrar um escritor conservador sem qualquer ligação ao partido nazi para a assinar", disse Weber.

O académico encontrou ainda uma declaração de Koerber e uma carta do próprio que sugeriam a intervenção de Hitler no livro. Já na Alemanha, Weber localizou um documento de 1938 no qual Koerber aludia ao facto de ter sido o ditador a escrever o livro, garantindo que tinha sido redigido "por iniciativa e com a participação ativa de Adolf Hitler".

Mein Kampf - A Minha Luta, em português - o polémico manifesto autobiográfico que reflete a ideologia nazi de Hitler - foi publicado dois anos depois da obra de Koerber. O primeiro volume publicou-se em 1925 e o segundo no ano seguinte, em 1926.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG