Harry e Meghan gastaram 3 milhões na renovação da nova casa

A propriedade, datada do século XIX, foi oferecida pela Rainha e a reforma paga com fundos do Sovereign Grant.

O duque e a duquesa de Sussex gastaram 2,4 milhões de libras esterlinas (cerca de 3 milhões de dólares) do dinheiro dos contribuintes britânicos a reformar a sua nova casa, a Frogmore Cottage. A propriedade fica no terreno da residência real Frogmore House e foi aqui que Harry e Meghan realizaram a receção do casamento, em maio de 2018.

A propriedade, datada do século XIX, foi oferecida pela Rainha e a reforma paga com fundos do Sovereign Grant, mostra o relatório de contas anual da Royal Household.

A residência oficial do casal, a Frogmore Cottage, localizada a oeste de Londres, passou por extensas mudanças estruturais de forma a transformar cinco pequenas habitações numa única casa com comodidades mais modernas.

Segundo a BBC, as obras passaram por substituir as vigas de madeira do teto e os sistemas de aquecimento, a construção de uma subestação elétrica e a instalação de redes de gás e água. A reforma demorou cerca de seis meses, embora algumas áreas ainda não tenham sido concluídas, como a pintura do exterior.

O Sovereign Grant, que paga os salários dos funcionários da Rainha, a manutenção dos palácios e os deveres reais oficiais, incluindo as viagens, pagou a conta da reforma da casa. O custo de todos os extras - como os móveis - foi pago em particular pelo Duque e pela Duquesa.

As contas do Sovereign Grant, que acabaram de ser divulgadas publicamente, revelam que a monarquia custou ao contribuinte britânico 67 milhões de libras esterlinas (cerca de 85,3 milhões de dólares) em 2018-19, 41% a mais que no exercício anterior.

O grupo antimonárquico Republic apelidou este aumento de "ultrajante" e apontou o dedo às obras de remodelação de Frogmore Cottage e os custos de viagens do príncipe Carlos, entre outras despesas.

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.