Guerra já fez milhares de crianças refugiadas e combatentes

Relatório da UNICEF nota que já nasceram 3,7 milhões de sírios desde o início da guerra, há 5 anos. Mais de 300 mil já fora do país

Os cinco anos de conflito armado na Síria já deram origem a 2,4 milhões de menores refugiados e tiraram a vida a muitas crianças - só em 2015 foram 400. Estes dados constam do relatório No Place for Children, divulgado ontem pela UNICEF, que adianta ainda que oito milhões de crianças na Síria e países vizinhos precisam de assistência humanitária.

"Uma tendência que nos preocupa particularmente é o aumento do recrutamento de crianças", refere o documento. "Há relatos de crianças a serem encorajadas a juntarem-se à guerra por partes do conflito que lhes oferecem presentes e "salários" até 400 dólares por mês". Desde 2014, tem aumentado o número de recrutamento de menores cada vez mais novos, algumas com apenas sete anos, e muitas vezes sem a autorização dos pais. Mais de metade das crianças recrutadas no ano passado, nos casos registados pela UNICEF, tinham menos de 15 anos.

De registar também o facto de este recrutamento está agora a ser feito também a raparigas. Huda tinha apenas 14 anos quando participou no seu primeiro combate, com uma arma que mal sabia usar. "Estava assustada", conta. "O comandante deu-me uma arma e disse para eu me preparar para a batalha", relatou à UNICEF. Huda sobreviveu e agora está num campo de refugiados na Jordânia. Mais de 100 crianças morreram ou ficaram feridas em combate só no ano passado. "Agora as crianças estão a receber treino militar e a participar em combates ou a arriscar a vida na frente de combate com a manutenção de armas ou a ajudar à retirada de feridos", é referido.

Neste relatório é também dito que fora da Síria já nasceram 306 mil crianças síria como refugiadas. E que, segundo o Alto Comissariado da ONU para os Refugiados, destas, perto de 70 mil nasceram só no Líbano. No total, desde o início do conflito, já nasceram 3,7 milhões de sírios. "Todas as crianças sírias com menos de cinco anos não conhecem nada para além da guerra, estamos a falar de 2,9 milhões dentro da Síria e pelo menos 811 mil nos países vizinhos", refere ainda o documento.

Exclusivos