Guerra fria no Palácio. Meghan acabou com o Natal?

A imprensa britânica desenterrou as polémicas à volta da mulher de Harry, acusada de ter uma má relação com a cunhada Kate Middleton. Os duques de Sussex deixam o palácio em 2019

Os dois casamentos reais - e o anúncio de um novo bebé a caminho, o de Meghan e Harry - parecem pertencer a um capítulo muito distante. As notícias sobre a Casa Real britânica voltaram a ter como epicentro as alegadas discussões que dominarão o Palácio de Kensington. Quando os duques de Sussex anunciaram, no final de novembro, que vão deixar o palácio, os boatos subiram de tom. A culpada? Meghan e a sua incompatibilidade com aquela que virá um dia a ser rainha de Inglaterra, Kate Middleton, a mulher do príncipe William, segundo na linha de sucessão ao trono. O Natal poderá mesmo ser passado com os dois irmãos separados.

Harry e Meghan justificaram a mudança, no início de 2019, para os terrenos do Castelo de Windsor, nos arredores de Londres, onde decorreu o copo de água do seu casamento, com a necessidade de terem mais espaço para criar o primeiro filho, esperado para a Primavera. A notícia foi o rastilho para um fogo que há muito ameaçava arder em volta da recém-chegada ao palácio.

De um momento para o outro, a imprensa britânica recuperou - e destilou - tudo o que sabia sobre a norte-americana. Para começar, recordou que Meghan já tinha sido casada - e que o ex-marido revelara que esta o tratava como se ele fosse "um bocado de pastilha elástica" que a duquesa pisara. Depois, recuperou uma história que tinha caído no esquecimento, ofuscada pelo casamento real.

Kate e Meghan teriam discutido antes da boda por causa do vestido que a princesa Charlotte iria usar na cerimónia. "Meghan fez Kate chorar" chegou a ser título de notícia. E ainda o boato sobre a tiara que a noiva de Harry queria muito usar e que a Casa Real não permitia: desconhecia-se a proveniência das esmeraldas presentes na joia, poderiam ser russas e as relações atuais entre os dois países não eram as melhores.

A norte-americana teria ainda exigido ambientador na St George's Chapel, no castelo de Windsor, onde decorreu o casamento, porque lhe cheirava a mofo, e teria sido desnecessariamente rude com os empregados do Palácio de Kensington, ou seja, os empregados de Kate, algo que esta não lhe perdoara.

Harry com a Rainha, William com os sogros

O golpe final é a suspeita de que os irmãos não irão passar o Natal juntos. As notícias relatavam que William e a sua família iriam passar o dia 25 de dezembro na casa dos sogros do príncipe, Carole e Michael Middleton, enquanto Harry e a mulher estariam com a Rainha em Sandringham, Norfolk, como é habitual. Entretanto, alguma imprensa desmentiu a decisão, mas não existe, até ao momento, qualquer comunicado oficial do palácio a acompanhar o desmentido.

Segundo a Vanity Fair, Megan Markle está a evitar ler as notícias, uma vez que acredita estar a ser perseguida pela imprensa britânica.

O momento azedo da família real, com a mulher de Harry no centro, levou Sarah Baxter, editora do The Sunday Times, as escrever uma crónica onde compara a antiga atriz a Yoko Ono - a namorada de John Lennon, considerada a culpada pelo fim dos Beatles. Concede que "o furacão" Meghan queria ambientador na capela, usava looks pretos que os conselheiros do palácio consideravam mais adequados para funerais e que as polémicas que envolveram o pai e a meia -irmã de Meghan não ajudaram - os boatos cresceram mais depressa do que a sua barriga de grávida.

Não caiu bem - escreve Sarah Baxter - que a sua assistente pessoal tenha aguentado mais tempo com a estrela pop Robbie Wiliams do que com a duquesa. Melissa Touabti despediu-se ao fim de seis meses.

No entanto, a jornalista defende que não é a norte-americana a culpada da cisão entre William e Harry, que seguem caminhos diferentes há muitos anos. Um quer preservar a monarquia, enquanto herdeiro do trono, e o outro dedica-se, tal como a mãe, a princesa Diana, a causas sociais. Meghan terá chegado ao palácio e encontrado uma família já dividida.

Quanto à relação com a cunhada, Kate, é ditada pelo fosso que as separa: a primeira tem o poder e a posição de uma futura rainha, a outra será sempre apenas e só a duquesa de Sussex.

A residência real do século XVII Frogmore House, nos terrenos do Castelo de Windsor, para onde Harry e Meghan irão viver já no início do próximo ano, fica muito perto do cemitério real onde estão sepultados Eduardo VIII e a mulher, a norte-americana Wallis Warfield, pela qual o rei abdicou do trono. Sarah Braxter remata a sua crónica escrevendo que Meghan Markle deve sentir um calafrio quando passar perto do local. Também ela é norte-americana e será por ela que Harry vai deixar de viver no palácio. Mas isto é o que dizem os boatos.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.