Governo demitido por presidente da Guiné Bissau recusa-se a abandonar palácio há 13 dias

Os membros do Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde acusam o presidente de ter formado um governo ilegítimo

Os membros do Governo demitido na Guiné-Bissau recusam-se a abandonar o palácio do executivo há 13 dias e estão a receber comida através da Caritas de Bissau, disseram à Lusa elementos no interior do edifício.

Agnelo Regalla, ministro da Comunicação Social do Governo demitido a 12 de maio pelo Presidente guineense, José Mário Vaz, adiantou à Lusa que vão continuar no palácio até que "haja uma solução justa" para o que reivindicam, que é "a reposição da legalidade".

Para o Governo demitido, cabe ao Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde (PAIGC) formar uma nova equipa governativa e não a um elemento indicado pelo chefe de Estado.

Questionado sobre a situação no interior do palácio do Governo, onde ninguém entra desde domingo, por ordens do novo executivo, Agnelo Regalla indicou que na segunda-feira receberam comida através da Caritas de Bissau.

As forças de segurança que patrulham o palácio têm ordens para não deixar entrar ninguém nem alimentos, facto denunciado pelos ex-dirigentes, que o consideram atentatório dos direitos humanos.

Para avaliar a situação humanitária no palácio, onde se encontram cerca de 200 pessoas, uma delegação de religiosos, integrada, entre outras, pelo bispo de Bissau, José Camnaté Na Bissign, e pelo imã, Mamadu Cissé, reuniu-se com os ex-membros do Governo.

No mesmo dia, membros das organizações da sociedade civil guineense estiveram no palácio para exortar os ex-dirigentes a abandonarem aquelas instalações "por ser uma forma errada de luta política", sublinharam.

O palácio continua a ser abastecido com água canalizada e energia elétrica.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.