Governo americano paralisado. "Democratas quiseram dar-me um presente"

No dia em que Trump comemora um ano como presidente dos Estados Unidos, o senado não conseguiu acordo

O Governo dos Estados Unidos da América iniciou às 00:00 locais (mais uma hora em Lisboa) o encerramento parcial dos seus serviços devido à falta de fundos para os financiar, após ter falhado a tentativa de compromisso para o Orçamento. Donald Trump, que hoje comemora um ano na Casa Branca, já acusou os democratas pelo fracasso nas negociações.

"É o primeiro aniversário da minha presidência e os democratas quiseram dar-me um belo presente", escreveu no Twitter.

Donald Trump acusou os democratas de estarem mais preocupados com os imigrantes ilegais do que com as questões militares e de segurança "na perigosa fronteira a sul". "Poderiam ter feito um acordo mas preferiram jogar à política do 'shutdown'", acrescentou o presidente dos EUA.

Trump lembra que os republicanos têm apenas 51 votos no senado e que precisavam de 60 para aprovar o orçamento de curto prazo. "É por isso que precisamos de mais republicanos a ganhar nas eleições de 2018", apelou.

A proposta de Orçamento apresentada pelos republicanos obteve mais votos a favor (50) que contra (48), mas foram insuficientes para aprovar as verbas que exigiam o apoio de 60 senadores.

Nas reuniões bipartidárias, os democratas tinham colocado como condição para a aprovação do orçamento um aumento de financiamento do programa DACA, de integração dos imigrantes que entraram ilegalmente nos EUA quando eram menores, bem como alterações na política de imigração de Trump. A Casa Branca e os representantes republicanos recusaram.

A última vez que o Governo dos Estados Unidos teve de fechar por falta de fundos foi em outubro de 2013 com Barack Obama na Casa Branca, situação que durou 16 dias.

Então, Obama mandou para casa mais de 800 mil funcionários públicos -- os considerados não essenciais -, encerrou museus e parques nacionais, e cancelou tratamentos experimentais em centros federais de investigação médica.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG