Governo reestrutura forças armadas após casos de militares de extrema-direita

Existem 280 casos de alegados elementos da extrema-direita investigados e 18 expulsos entre 2012 e 2016

A ministra da Defesa alemã, Ursula von der Leyen, decidiu reestruturar as forças armadas na sequência de vários escândalos, com 280 casos de alegados elementos da extrema-direita investigados e 18 expulsos entre 2012 e 2016.

"O Wehrmacht - o exército nazi - não tem nada em comum com o Bundeswehr -- o exército atual", sublinhou, de acordo com a agência EFE, a ministra ao visitar o quartel onde estava destacado Franco A., um tenente registado como requerente sírio de asilo e que se suspeita estivesse a planear um atentado xenófobo.

A detenção de Franco A. na semana passada gerou uma polémica na Alemanha, tanto pelas falhas dos serviços de imigração, que não detetaram a fraude e chegaram a pagar-lhe subsídios como refugiado, como pela atuação do exército, que aparentemente desvalorizou a ideologia de extrema-direita do tenente.

Ursula von der Leyen cancelou uma viagem aos Estados Unidos para ir até à localidade de Illkirch, perto de Estrasburgo (França), e reunir-se com os superiores e companheiros do tenente, destacados numa brigada franco-alemã que tem a sua base naquela cidade.

No quartel, a ministra visitou uma divisão com objetos do Wehrmacht. "O exército não pertence à tradição do Wehrmacht", afirmou Ursula von der Leyen, avisando que foi aberta uma grande investigação, paralelamente à que decorre no Ministério Público, para qual é necessária "muita força e serenidade".

O porta-voz da chanceler Angela Merkel, Steffen Seibert, garantiu numa conferência de imprensa que Ursula von der Leyen, criticada no meio militar por questionar a competência do exército na erradicação deste tipo de casos, tem o "apoio total" da chanceler.

Steffen Seibert defendeu que a grande maioria dos elementos das forças armadas realizam o seu trabalho exemplarmente, mas considerou "absolutamente correto" abrir-se uma investigação para esclarecer se a ideologia "racista e ultranacionalista" ou os abusos sexuais denunciados noutros quartéis são ou não casos isolados.

De acordo com dados do Ministério da Defesa, os serviços de informação militares investigam 280 casos de presumíveis militantes de extrema-direita elementos do exército, motivo pelo qual 18 militares foram expulsos nos últimos cinco anos.

"Ainda que houvesse apenas um caso, seria demasiado", disse o porta-voz adjunto do ministério, Boris Nannt, que confirmou haver em 2014 provas de que Franco A. apoiava ideias de extrema-direita.

Nesse ano, Franco A. apresentou uma tese de mestrado com "expressões claramente extremistas" -- chegava a falar do "genocídio" da população europeia ocidental devido à imigração -, mas os seus superiores decidiram dar-lhe uma segunda oportunidade para apresentar um novo trabalho, não foi aberto nenhum inquérito e o sucedido não ficou registado na ata militar do tenente.

A ministra da Defesa mostrou-se decidida a averiguar "como é possível que Franco A. tenha feito carreira durante tanto tempo no exército" e a investigar as suas relações e ligações nas forças armadas.

A 26 de abril, o ministério confirmou a demissão do chefe de instrução do exército por negligência na investigação de repetidas denúncias de abusos sexuais e outros rituais a que alegadamente os recrutas eram sujeitos pelos instrutores durante o processo de admissão.

Perante estes casos, o Ministério da Defesa encomendou um relatório exaustivo sobre assédio e discriminação no exército, que deve esclarecer nos próximos meses se existem nas forças armadas "áreas escuras" ou se falta a necessária sensibilidade para detetar situações anómalas, denunciá-las e corrigi-las.

Por outro lado, o ministério do Interior também encomendou uma investigação à Agência Federal para as Migrações e os Refugiados, para esclarecer como pôde autorizar-se o pedido de asilo de Franco A., que não falava árabe, e perceber se poderá haver casos semelhantes.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.