Gorilas posam para selfie com guardas florestais

A fotografia dos animais com os guardas tornou-se viral nas redes sociais.

Duas das mais recentes estrelas do Facebook vivem no Parque Nacional de Virunga, património da UNESCO na República Democrática do Congo. Ndakasi and Matabishi são dois gorilas que estão a encantar a internet com os seus dotes para as selfies.

Na imagem partilhada no Facebook, os dois gorilas posam descontraidamente para a fotografia tirada por um guarda-florestal que protege os animais da caça furtiva.

De acordo com a informação disponível no site do parque, a área protegida sofreu danos profundos como resultado da guerra e dos conflitos armados nos últimos 20 anos, sendo atualmente protegida "por uma equipa dedicada de mais de 600 guardas florestais".

"Estes homens e mulheres locais passam por um treino intensivo, arriscando as suas vidas diariamente para proteger a excecional vida selvagem do parque, incluindo os gorilas-da-montanha que são uma espécie em risco de extinção", lê-se no site.

A reserva nacional é considerada o lar de 25% de todos os gorilas do mundo. No ano passado, a instituição emitiu um comunicado no qual revelou que 175 guardas florestais que ali trabalhavam foram mortos nos últimos 20 anos.

Criado em 1925 e classificado como património da UNESCO em 1979, o Parque Nacional de Virunga tem 7,8 mil km² e está localizado parte oriental da República Democrática do Congo, perto da fronteira com Uganda.

Até este sábado à tarde, a publicação original contava com mais de 13 mil gostos, 1.700 comentários e 14 mil partilhas.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.