"Gangster" reformado morto a tiro antes da publicação do seu livro de memórias

As autoridades dinamarquesas estão à procura do autor dos disparos.

O ex-líder de um gangue dinamarquês ​​​​Nedim Yasar foi morto com um tiro, esta segunda-feira, em Copenhaga, na Dinamarca, um dia antes do lançamento do seu livro de memórias, segundo a BBC.

O gangster de 31 anos foi levado para o hospital, mas não resistiu aos ferimentos de pelo menos dois tiros. O Departamento da Polícia de Copenhaga esclareceu que o atirador fugiu a pé e que estão a falar com testemunhas para encontrar o autor do homicídio. Acrescentaram ainda que nos últimos anos o número de tiroteios relacionados com gangsters tem vindo a aumentar.

Yasar nasceu na Turquia e mudou-se para a Dinamarca com quatro anos, país onde se juntou ao gangue Los Guerreros, uma organização criminosa associada ao tráfico de droga. Decidiu mudar de vida em 2012, quando descobriu que ia ser pai. A partir dessa data, tornou-se mesmo mentor de jovens, com quem partilhava a sua experiência de vida, e criou um programa de rádio na estação 24syv - que lhe prestou homenagem, esta terça-feira, deixando a bandeira da Dinamarca meio hasteada no cimo do edifício da rádio.

"Raízes: a saída de um gangster", escrito por Maria-Louise Toksvig, conta a história de Nedim Yasar a partir do momento em que este deixa o mundo do crime. O livro foi publicado esta terça-feira.

O ministro da justiça dinamarquês, Soren Pape Poulsen, descreveu a morte do ex-líder de Los Guerreros como "triste e infinitamente significativa". "Eu conheci Nedim. Conheci um homem que queria uma vida nova e que queria fazer a diferença na vida dos outros. Os meus pensamentos e a minha compaixão estão com os amigos e a família dele", escreveu no Twitter o político.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.