Furacão Katia passa a tempestade tropical depois de tocar terra no México

O furacão Katia, que perdeu intensidade e tocou terra na sexta-feira à noite no México, com categoria 1, converteu-se em tempestade tropical, com ventos até 70 quilómetros por hora, informou o Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos.

Pelas 01:00 de sexta-feira, hora local (07:00 em Lisboa), o furacão Katia avançava para o interior do México em direção a sudoeste, numa velocidade de 13 quilómetros por hora, localizando-se a 175 quilómetros de Veracruz e a 220 quilómetros de Tampico.

O Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos estima que o Katia sofra "um rápido enfraquecimento" e se dissipe ainda hoje.

Esperam-se, também, grandes chuvadas e acumulações de água a norte de Veracruz, a leste de Hidalgo e Puebla, e, de forma mais suave, a sul de Tamaulipas, a leste de San Luis de Potosí, a oeste de Hidalgo, a leste de Querétaro e a sul de Veracruz, isto até hoje à noite.

O furacão Katia é um dos três que se movem atualmente no Atlântico, tendo agora categoria mínima.

Além deste, continuam ativos o furacão José, com a categoria 4 e o Irma, que tinha passado de 5 para 4, mas voltou à categoria máxima ao tocar terra em Cuba.

O Irma, o mais poderoso registado no Atlântico, causou pelo menos 19 mortos à passagem pelas Antilhas Menores e Porto Rico, e destruiu a ilha de Barbuda e a parte francesa de Saint-Martin.

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.