Fundador do gigante Lotte condenado a quatro anos de prisão

Shin Kyuk-Ho, de 95 anos, foi condenado pelo desvio de 100 milhões de euros

O fundador do grupo Lotte, o quinto maior conglomerado da Coreia do Sul, Shin Kyuk-Ho, foi condenado hoje, por um tribunal de Seul, a uma pena de quatro anos de prisão por apropriação indevida de fundos.

Shin Kyuk-Ho, de 95 anos, foi condenado pelo desvio de 128,6 mil milhões de won (100 milhões de euros) de fundos do Lotte em benefício dos seus parentes, enquanto a sua filha mais velha, e sucessora na liderança do grupo, Shin Dong-Bin, foi condenada a dois anos de cadeia, mas com pena suspensa.

Não obstante, o tribunal do distrito central de Seul aceitou, atendendo à sua saúde, que Shin Kyuk-Ho, que sofre de demência e se encontra confinado a uma cadeira de rodas, aguarde em liberdade o julgamento do processo de recurso.

Shin Kyuk-Ho fundou o grupo Lotte em Tóquio em 1948 que desenvolveu ao longo de décadas até o tornar num gigante do comércio a retalho, alimentação e hotelaria, implantado no Japão e na Coreia do Sul, cujos ativos se encontram avaliados no equivalente a cerca de 77 mil milhões de euros.

No entanto, foi alvo de investigações por parte da justiça na sequência de uma guerra entre dois dos seus filhos pelo controlo do grupo, que foi bastante mediatizada.

O fundador do grupo Lotte, três dos seus filhos e a sua amante foram visados no processo por apropriação indevida de fundos que expôs práticas duvidosas na gestão extremamente patriarcal do império.

Exclusivos