Fortes chuvas danificam viaturas e deixam casas e ruas inundadas

Apesar de todos os estragos feitos pelas chuvas intensas, até ao momento não foi registada nenhuma vítima.

Dezenas de casas inundadas, ruas intransitáveis, viaturas danificadas e queda de árvores é o balanço provisório das fortes chuvas que se abateram durante a madrugada desta quarta-feira sobre Luanda, informaram hoje as autoridades.

De acordo com o porta-voz do comando provincial de Luanda do Serviço Nacional de Proteção Civil e Bombeiros, Faustino Minguêns, as comissões municipais da corporação começaram já a fazer o levantamento dos casos de maior gravidade.

Verificamos algumas ruas inundadas, com dificuldades de passagem de pessoas e viaturas, algumas residências inundadas e por esta altura o grito de socorro dos munícipes é enorme e tendo em conta o nosso trabalho acionamos já o nosso plano para socorrer as pessoas

Acrescentou que várias viaturas ficam igualmente danificadas em consequência da queda de algumas árvores na capital angolana, sendo que aquele serviço não registou, até ao momento, qualquer vítima em consequência das chuvas.

"Estamos a falar aqui de quedas de árvores por cima de viaturas bem como algumas pessoas que viram os seus bens levados pela água pelo que, neste balanço provisório, ainda não temos registo de qualquer dano humano", adiantou.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.