Grécia sacudida por sismo de 6,4 na escala de Richter

O terramoto de pelo menos magnitude 6,4 na escala de Richter atingiu o país na madrugada de sexta-feira.

Um sismo de magnitude 6,4 na escala de Richter atingiu a Grécia na madrugada desta sexta-feira e, apesar de alguns danos materiais, há registo de apenas três feridos, ainda que o tremor tenha sido sentido até à Líbia.

De acordo com o Instituto Geodinâmico grego, o sismo atingiu magnitude de 6,4. Mas o Instituto Geográfico dos Estados Unidos da América (USGS, na sigla inglesa) e o Centro Sismológico Europeu e Mediterrânico (EMSC, na sigla inglesa) registaram, contudo, magnitude de 6,8.

Três pessoas foram transportadas para o hospital, duas das quais "ligeiramente feridas", disse um porta-voz da Proteção Civil grega à agência Reuters.

O tremor de terra foi sentido em Atenas, capital da Grécia, e em países como a Albânia, Itália, Líbia ou Malta.

Segundo o USGS, o epicentro do sismo foi no Mar Jónico e foi particularmente sentido na ilha de Zakynthos. Apesar do corte de eletricidade nesta ilha, o presidente da Câmara Municipal de Zakynthos, Pavlos Kolokotsas, disse que a cidade não "enfrenta quaisquer problemas particulares".

O sismo ocorreu às 23:54 (hora de Lisboa) e foi sucedido, cerca de 30 minutos depois, por uma réplica de 5,2 graus.

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.