Fingiu ser patrão da Mercedes e até tentou contratar engenheiros

Britânico enganou empregados de hotéis para conseguir quartos sem pagar. Foi acusado de fraude e vai cumprir pena de prisão

Stuart Howatson quis ser patrão da Mercedes e levou o trabalho muito a sério. Encomendou sistemas de segurança para computadores caros, tentou contratar engenheiros para a equipa de Fórmula 1 e até conseguiu ficar em quartos de hotéis sem pagar.

A farsa chegou a ir tão longe que um engenheiro chegou a viajar para Colónia, na Alemanha, acompanhado pela mulher, para se encontrar Howatson, que lhe tinha prometido o cargo de diretor de operações da Mercedes, segundo afirmou a advogada de acusação, citada pela BBC. Sharon Bahia referiu que Howatson foi descrito por esse homem como alguém conhecedor da Mercedes e até lhe ofereceu seguro de saúde e um software para que aprendesse alemão.

O advogado do britânico disse no tribunal de Conventry que "o facto é que ele estava a gostar de lidar com estas grandes figuras e de fingir ser alguém com esse tipo de autoridade para conseguir esses contactos".

Howatson já tinha sido preso em 2010 por se fazer passar por um polícia responsável pela segurança da família real e também já se tinha dado como culpado em doze acusações de fraude e roubo.

Esta última aventura de Stuart Howatson como um dos patrões da Mercedes valeu-lhe uma condenação de dois anos na prisão.

A equipa Mercedes reagiu através de um comunicado, citado pelo ABC, no qual agradece o trabalho da polícia de Warwickshire. "O senhor Howatson utilizou do modo fraudulento o nome da empresa e declarou-se de forma falsa como uma pessoa autorizada a atuar em nome da empresa.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG