Explosão em Lyon. Suspeito visto a andar de bicicleta. Menina de oito anos entre os feridos

Explosão feriu pelo menos 13 pessoas. Bomba estava num volume abandonado e continha parafusos

13 pessoas ficaram feridas na sequência de uma explosão que ocorreu esta sexta-feira no centro da cidade de Lyon, em França, adiantam Le Monde e Le Figaro , citando fonte próxima do caso. O Le Figaro acrescenta até que onze deles estão "muito levemente feridos".

A explosão ocorreu na esquina entre a rua Victor Hugo e a rua Sala e já foi montado um perímetro de segurança na área. Uma fonte policial disse à agência France-Press que a bomba continha parafusos. A explosão ocorreu cerca das 17.30 locais (16.30 em Lisboa) à porta de uma pastelaria, perto da praça Bellecour, considerada o coração da cidade.

Segundo fonte judicial, as autoridades privilegiam a hipótese de um pacote armadilhado, com base em testemunhos.

O Le Monde adianta que a polícia procura um suspeito de ter depositado o pacote enquanto andava de bicicleta e refere que uma testemunha disse ter visto parafusos espalhados na rua.

Entretanto, as estações de metro Victor Hugo e Bellecour foram encerradas e a polícia apela para se evitar a zona da explosão.

De acordo com o prefeito Denis Broliquier, entre os feridos está uma menina de oito anos. "Estamos mais tranquilos, porque não há feridos graves, mas por outro lado temos uma certa: foi um dispositivo explosivo", frisou, acrescentando que o suspeito poderá ter sido filmado por câmara de videovigilância.

De acordo com o ministro da Justiça, Nicole Belloubet, é "muito cedo" para discutir se se trata de "um ato terrorista", mas a secção anti-terrorista da procuradoria de Paris abriu uma investigação.

O presidente Emamnuel Macron classificou a explosão como "um ataque", referindo que tal como já tinha sido avançado pela AFP, não houve vítimas mortais.

"Cheguei com alguns minutos de atraso, porque houve um ataque a Lyon, penso que toda a gente já sabe. Não me cabe a mim dizer o que se passou, mas nesta altura posso adiantar que não houve mortos, apenas feridos. Deixo aqui a minha solidariedade para com eles e para com as suas famílias", disse o Presidente, no início de uma entrevista em direto num popular canal do YouTube.

Mais tarde, expressou apoio aos feridos através do Twitter. "Esta noite, os meus pensamentos vão para os feridos na explosão de Lyon e para as suas famílias. Estamos ao vosso lado", publicou.

Entretanto, a líder da Assembleia Nacional, Marine Le Pen, lamentou o ataque e classificou-o de "terrorista", num comentário no Twitter.

Concerto de Ed Sheeran mantém-se

Apesar da explosão, o concerto de Ed Sheeran esta sexta-feira à noite num estádio em Lyon vai mesmo realizar-se e "de acordo com o planeado", embora com segurança reforçada.

O cantor britânico, 28 anos, vai atuar no Estádio da Luz a 1 e 2 junho.

Marcelo Rebelo de Sousa solidário

O Presidente da República reiterou esta sexta-feira a solidariedade de Portugal com a França, perante "mais um ataque aos valores que unem os dois países", numa mensagem ao homólogo francês após um engenho explosivo ter causado oito feridos em Lyon.

Na mensagem endereçada a Emmanuel Macron, divulgada no portal da presidência, Marcelo Rebelo de Sousa expressa "a sua consternação" pelo sucedido e deseja "as rápidas melhoras a todos os feridos".

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.