Pelo menos 16 mortos em explosões e tiroteio dentro de mesquita em Cabul

Estado Islâmico reivindicou o atentado. Atacantes foram cercados dentro da mesquita pelas forças de segurança

Uma mesquita xiita em Cabul, capital do Afeganistão, foi alvo de um ataque esta sexta-feira que provocou pelo menos 16 mortos. Segundo a Reuters, que cita as autoridades locais, um bombista suicida fez-se explodir à porta da mesquita e outros entraram a seguir a disparar sobre os presentes.

Entre os mortos contam-se dois polícias e 14 civis. Há ainda 15 civis feridos.

O atentado foi reivindicado pelo Estado Islâmico, através da agência de notícias Amaq.

Testemunhas contaram à Reuters que os atiradores atiraram granadas para a mesquita e depois entraram a disparar, enquanto a polícia disse que a explosão foi provocada pelo bombista suicida.

Segundo a Al-Jazeera, os atiradores foram cercados dentro da mesquita, pelas forças de segurança.

O ataque ocorreu numa mesquita na zona de Qala-e-Najara, numa altura em que várias pessoas se juntavam para as orações da tarde de sexta-feira, um dia especial na religião islâmica.

O porta-voz do ministro do Interior, Najib Danish, confirmou que eram pelo menos quatro atacantes. "Pelo menos três pessoas entraram na mesquita e começaram a disparar", disse o porta-voz à Al-Jazeera.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.