Experiências com gases tóxicos em macacos e pessoas. "É injustificável"

O governo alemão criticou hoje a realização destes testes financiados pela Volkswagen, Daimler (dona da Mercedes-Benz) e BMW

O governo alemão considerou "injustificável" a realização de testes de emissões de gases em macacos e em humanos, depois de notícias de que um estudo financiado pela Volkswagen, Daimler (dona da Mercedes-Benz) e BMW teria realizado esse tipo de experiências. O Conselho de Supervisão da Volkswagen também já reagiu às informações deste fim de semana e pediu um inquérito.

O The New York Times revelou na sexta-feira que os construtores alemães tinham encomendado um estudo para defender o diesel, depois de revelações de que os gases libertados pelos escapes dos automóveis eram cancerígenos. Esse estudo que terá sido realizado em macacos, terá sido financiado pelo EUGT, grupo europeu de pesquisas sobre o ambiente e saúde nos transportes criado pelos três construtores automóveis e extinto em 2017. Desconhece-se se a Volkswagen, a Merceds e a BMW tinham conhecimento do método usado nas experiências, realziadas em 2014.

No domingo, um jornal alemão, o Stuttgarter Zeitung, acrescentou que também foram realizados testes em humanos, nomeadamente com dióxido de nitrogénio.

"Esses testes em macacos ou em pessoas não são justificáveis a nível ético e suscitam muitas questões acerca daqueles que estão por trás dos testes", afirmou esta manhã o porta-voz do governo Steffen Seibert numa conferência de imprensa regular.

O Conselho de Supervisão da Volkswagen anunciou hoje que pediu um inquérito urgente a esta situação. "Farei todo o possível para qque este assunto seja investigado em detalhe", afirmou hoje o presidente deste conselho, Hans Dieter Poetsch em comunicado.

"Quem é responsável por isso deve ser responsabilizado", acrescentou.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.