Finlândia pagou a desempregados a ver se eles procuravam emprego. Não funcionou

O estudo teve por base um grupo de 2000 desempregados, a quem era atribuído 560 euros mensais e tinha por objetivo dar maior segurança a essas pessoas para procurarem um emprego. Mas a maioria não o fez.

O governo da Finlândia apresentou os primeiros resultados relativos à experiência de implementar um rendimento básico universal de 560 euros para desempregados e a conclusão não foi animadora: não aumentou a procura de emprego entre o grupo de duas mil pessoas alvo do estudo.

A ideia que norteou esta experiência era que o nível de vida geral das pessoas melhorasse e que o incentivo de 560 euros mensal, sem nada em troca por parte do estado, fosse uma forma de procurarem emprego, algo que não aconteceu, embora o estudo revele que entre o grupo tenha aumentado os níveis de felicidade e de stress.

Baseada na Teoria da Utopia, de Thomas More, publicada em 1516, esta experiência iniciou-se em janeiro 2017 e era suposto durar dois anos, tornando-se a Finlândia no primeiro país europeu a testar esta ideia de um rendimento básico incondicional. Além do dinheiro que recebiam mensalmente, este grupo tinha direito a educação, saúde e transportes grátis, tudo com o propósito de dar segurança às classes mais desfavorecidas por forma a dar-lhes tempo para procurarem emprego ou desenvolver novas capacidades de subsistência.

Miska Simanainen, um dos investigadores deste estudo, revelou em declarações à BBC que alguns indivíduos arranjaram emprego, mas não se sentiam mais felizes do que aqueles que pertenciam ao grupo de controlo, ao qual não eram atribuídos o rendimento básico. No entanto, a maioria das pessoas não procurou emprego.

Refira-se que a atribuição deste rendimento básico universal custou ao governo finlandês 20 milhões de euros. O país do norte da Europa tem uma população de 5,5 milhões de habitantes e uma taxa de desemprego de 8,1%.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.