Iulia Timoshenko está de volta e quer ser presidente da Ucrânia

A ex-primeira-ministra ucraniana Iulia Timoshenko anunciou esta terça-feira sua candidatura às presidenciais de 31 de março, disputando o cargo com o presidente em exercício, Petro Poroshenko, sendo a favorita na corrida, de acordo com sondagens recentes.

"Sou candidata à presidência", disse Iulia Timoshenko em Kiev, diante de centenas de pessoas numa reunião do seu partido Batkivchtchina (Pátria).

"Hoje, estamos a entrar em uma nova época de sucesso, de felicidade e de prosperidade (...). Nós começamos verdadeiramente a dar um passo à frente na Ucrânia, em direção à sua grandeza", acrescentou.

"Talvez, eu esteja às vezes errada, mas estou errada com sinceridade", disse a candidata presidencial.

Num ambiente de comemoração, centenas de pessoas estiveram reunidas, incluindo o marido e a filha da ex-primeira-ministra e empresária.

Alguns manifestantes carregavam a bandeira azul e amarela da Ucrânia e outros seguravam cartazes em que podia ler-se "Acredite na Ucrânia!", acompanhado pelo coração vermelho, símbolo do partido.

Numa transmissão de vídeo durante a reunião, o ex-presidente georgiano Mikheil Saakashvili, apoiou a sua candidatura.

"Ela é uma lutadora incansável pela Ucrânia e pelos interesses dos ucranianos", disse Mikheil Saakashvili, que já foi governador da região de Odessa e que acabou por se desentender com Petro Poroshenko e ser expulso da Ucrânia em 2018.

De acordo com as últimas sondagens, Poroshenko, que ainda não anunciou oficialmente a sua candidatura, está apenas atrás de Iulia Timoshenko, que foi candidata em 2010 e 2014.

Na segunda-feira, um primeiro candidato, o ator Volodymyr Zelensky, apresentou oficialmente a sua candidatura.

A primeira volta das eleições será realizada a 31 de março e a segunda, se for necessário, duas semanas depois.

Um dos rostos da Revolução Laranja de 2004, Timoshenko, de 58 anos, usa como imagem de marca uma trança loira enrolada em redor da cabeça.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG