Ex-militar que planeava atentado terrorista em São Francisco foi detido

Autoridades encontraram várias armas e explosivos na casa do homem de 26 anos, antigo marine

Everitt Aaron Jameson, um ex-marine de 26 anos, foi detido pelas autoridades norte-americanas por estar a planear um ataque terrorista, no dia de Natal, num dos mais conhecidos e populados espaços comerciais de São Francisco, Califórnia, EUA. O homem é simpatizante do Estado Islâmico, segundo informam vários meios de comunicação norte-americanos.

As autoridades foram alertadas para o comportamento suspeito de Jameson, depois de este ter publicado conteúdos relativos a ataques em território norte-americano.

O FBI, diz a CBS, encontrou também uma carta em que o homem de 26 anos assume planear o ataque, em que, ao detonar explosivos, iria confinar as pessoas presentes num local em que podia fazer ainda mais vítimas. Ex-marine, é treinado em pelo menos duas armas de guerra.

As autoridades federais fizeram uma busca na casa do homem, a 20 de dezembro, e encontraram várias armas e explosivos.

A televisão conta ainda uma história algo insólita entre Everitt Aaron Jameson e um agente de FBI. O agente terá telefonado acidentalmente para o telemóvel de Jameson, dizem documentos oficiais. O homem de 26 anos telefonou de volta mas a chamada foi para o voicemail do agente. Aparentemente, o autor dos planos do ataque terá percebido que o FBI estava na sua pista e disse a um agente infiltrado que não conseguia ir para a frente com o plano.

"Afinal, acho que não consigo fazer isto. Reconsiderei", terá dito.

Everitt Aaron Jameson pode agora enfrentar até 20 anos na prisão e uma multa de 250 mil dólares (mais de 210 mil euros).

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.