Ex-líder da Nissan paga fiança de 7,9 milhões de euros

Imprensa japonesa admite que a sentença permitirá a Carlos Ghosn deixar a prisão ainda esta terça-feira.

O terceiro pedido do antigo presidente da Nissan Carlos Ghosn para sair da prisão sob fiança foi aceite por um tribunal de Tóquio, noticiou a BBC.

A decisão foi apresentada pela imprensa japonesa como surpreendente e permitirá a Carlos Ghosn deixar a cadeia ainda esta semana, embora proibido de sair do Japão e ficando sob vídeo vigilância.

O brasileiro de origem libanesa - que tem negado a prática de atos ilegais - vai pagar uma fiança de 7,8 milhões de euros, depois de o tribunal ter rejeitado os pedidos anteriores por considerar que havia risco de fuga e destruição de provas por parte de Carlos Ghosn.

Este terceiro requerimento, segundo a BBC, foi apresentado por uma nova equipa de advogados - liderada por Junichiro Hironaka, conhecido pela alcunha "Navalha" e ter a fama de ganhar casos difíceis - escolhidos em fevereiro pelo antigo homem forte da Nissan e da Mitsubishi.

O Ministério Público japonês deverá apresentar recurso da sentença de libertar Ghosn sob fiança, decisão normalmente rara no Japão na ausência de confissão.

Carlos Ghosn foi detido em novembro de 2018, sob a acusação de ocultar rendimentos na Nissan e ainda de quebra de confiança agravada.

Responsável pela aliança entre os construtores Nissan (Japão) e Renault (França), Ghosn foi afastado da presidência da Nissan e da Mitsubishi. Na Renault foi o próprio administrador a pedir a demissão.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG