Eurostar lembra que não admite bombas ou réplicas a bordo dos seus comboios

Réplicas de bombas da I Guerra Mundial são transformadas em vasos de flores como lembranças populares, mas provocam receios pela segurança nos comboios e nas estações ferroviárias nas comemorações do armistício

A Eurostar emitiu um aviso aos passageiros para não levarem bombas ou réplicas a bordo dos comboios durante as comemorações do armistício da I Guerra Mundial. A empresa que gere os comboios que cruzam o Túnel da Mancha, entre França e Inglaterra, avançou com este alerta depois de, em anos anteriores, terem sido detetadas pessoas na viagem de regresso ao Reino Unido com réplicas de bombas e até com bombas desativadas. Podem ser lembranças, e muitas estão à venda em lojas de 'souvernis', mas violam as regras da Eurostar, alerta a empresa.

"Se vai viajar durante o período de comemoração, por favor, lembre-se que não pode trazer bombas reais ou réplicas, munições (completas ou parciais) ou armas a bordo - mesmo se foram compradas numa loja de recordações", apontou a Eurostar em comunicado.

Todos estes objetos serão confiscados pela segurança. A Eurostar sensibiliza ainda os passageiros que estes incidentes podem originar a necessidade de evacuar uma estação, com todos os incómodos daí decorrentes.

As bombas da I Guerra Mundial transformadas em vasos de flores tornaram-se lembranças populares na França e na Bélgica, mas têm provocado receios em termos de segurança, na medida em que os passageiros tentam levá-las a bordo dos comboios e outros transportes públicos.

As comemorações dos 100 anos do Dia do Armistício em França começaram no domingo, com o presidente Emmanuel Macron a iniciar a primeira comemoração de uma semana do país.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.