Europa é "mais uma vez o epicentro da doença" mas pode evitar confinamento. OMS pede "maiores sacrifícios"

A diretora técnica da OMS para a covid-19 afirmou que o confinamento em massa das populações pode ser evitado "se todos fizerem a sua parte e fizerem sacrifícios individuais".

A Europa é novamente o epicentro global da pandemia da covid-19, mas podem ser tomadas medidas para evitar recorrer outra vez ao confinamento, afirmaram hoje especialistas da Organização Mundial da Saúde (OMS).

"A Europa é mais uma vez o epicentro da doença, mas ainda podemos reverter esta tendência", disse o diretor de emergências sanitárias da OMS, Mike Ryan, que pediu "maiores sacrifícios" e que se siga o exemplo de países que conseguiram evitar novas ondas da covid-19.

A diretora técnica da OMS para a covid-19, Maria Van Kerkhove, acrescentou que os especialistas "ainda têm a esperança de que não sejam necessários novos confinamentos nacionais", como aqueles implementados na primavera no hemisfério norte e que se possa controlar as cadeias de transmissão com outras ferramentas como o rastreio de contactos.

"Os países da Europa conseguiram controlar a doença na primavera e no verão, podem voltar a fazê-lo e vão fazê-lo", afirmou a especialista norte-americana, que destacou que o confinamento em massa das populações pode ser evitado "se todos fizerem a sua parte e fizerem sacrifícios individuais".

Tais sacrifícios, sublinhou, vão desde evitar lugares lotados a adiar grandes encontros, "decisões difíceis que devem ser tomadas para reduzir a exposição".

Maria Van Kerkhove também afirmou que "deve ser tudo feito para manter as escolas abertas", depois de a primeira vaga da pandemia ter obrigado a encerrar os estabelecimentos de ensino durante vários meses.

"O cansaço é real, mas não devemos desistir"

O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, afirmou por sua vez que a organização "compreende o cansaço físico e mental" que a pandemia está a causar em algumas sociedades que tiveram que trabalhar mais em casa, não puderam organizar grandes celebrações em grande parte do ano ou nem sequer tiveram a possibilidade de dizer adeus aos entes queridos que faleceram.

"O cansaço é real, mas não devemos desistir", sublinhou, pedindo aos líderes políticos que façam todos os possíveis para proteger os profissionais de saúde e evitar que os hospitais e unidades de cuidados intensivos atinjam o limite da sua capacidade.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 1,1 milhões de mortos e mais de 43 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 2.343 pessoas dos 121.133 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG