EUA querem mudar a lei e manter indocumentados detidos por tempo indeterminado

O objetivo é tentar travar a chegada aos Estados Unidos de cada vez mais imigrantes ilegais provenientes da América Central.

O governo norte-americano anunciou esta quarta-feira um novo plano que visa permitir a detenção das famílias e menores indocumentados mais tempo que o previsto pela legislação em vigor, e que poderá passar a ser por tempo indeterminado.

O objetivo é tentar travar a chegada aos Estados Unidos de cada vez mais imigrantes ilegais provenientes da América Central.

A iniciativa foi apresentada pelo Departamento de Segurança Nacional que, em comunicado de imprensa, adianta que as novas disposições serão publicadas nesta sexta-feira no Registo Federal, entrando em vigor no prazo de 60 dias.

As novas medidas visam acabar com o chamado Acordo Flores, que desde 1997 estabelece medidas de proteção para os menores migrantes não acompanhados, desde prestações sociais a períodos de detenção máximos.

Segundo o Departamento de Segurança Nacional, esse acordo "originalmente devia vigorar por não mais de cinco anos", mas foi sendo prorrogado sucessivamente sem que as administrações anteriores à atual adotassem uma regra definitiva.

Por essa razão, o Acordo Flores "terminará pelos seus próprios termos" e a Administração Trump "continuará a trabalhar por um sistema de imigração melhor", lê-se no comunicado.

O Acordo Flores estabelece proteção a menores indocumentados em questões como residência, saúde, educação, nutrição, e higiene, e os buracos legais que foram dando forma a esta norma proíbem o governo de manter detidas as famílias com menores durante mais de 20 dias.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.