"Eu vi o que acreditava: Jesus." Ministra de Bolsonaro superou trauma da pedofilia

Damares Alves afirma que sofreu abuso sexual quando era criança.

Futura ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, a pastora Damares Alves disse nesta quinta-feira que superou o trauma de ter sido vítima de pedofilia. Damares disse que sofreu abuso sexual quando era criança e que, aos dez anos de idade, pensou em cometer suicídio.

Ela conta que mudou de ideia ao ver Jesus quando estava em cima de um pé de goiaba.

"As crianças têm amigos imaginários. Hoje os pais compram unicórnios para as crianças, que não existem. Eu, aos dez anos de idade, quando eu quis me suicidar, eu tive o meu amigo imaginário. Eu estava em cima de um pé de goiaba, eu ia tomar veneno, ia morrer. Era muita dor na alma por todos abusos que passei. E, quando estava em cima do pé de goiaba, não vi um unicórnio, não vi um amigo imaginário. Eu vi o que eu acreditava: Jesus", disse ela a jornalistas nesta tarde ao sair de reunião no CCBB (Centro Cultural do Banco do Brasil), sede do governo de transição.

Mais cedo, o presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), criticou comentários relativos a um vídeo que circula em redes sociais no qual Damares conta ter visto Jesus.

"É surreal e extremamente vergonhoso ver setores da grande mídia debocharem do relato da futura Ministra Damares Alves sobre a fé em Jesus Cristo, que a livrou de um suicídio desejado por conta de abusos sofridos na infância. Lamentável!", escreveu o presidente eleito.

Questionada se se sentiu ofendida com alguns comentários, Damares disse que não.

"Esta história eu conto em todos os lugares. Se você pegar 500 palestras minhas, no final você vai encontrar minha história, meu relato. Eu demorei anos para admitir que a menininha do pé de goiaba era eu. Mas, quando eu contei, foi libertador", disse Damares.

"Assumi que fui vítima da pedofilia, que fui vítima de dores. O Brasil inteiro, meu público todo sabe o que é o pé de goiaba ao ponto que queriam que eu lançasse um livro", afirmou.

"E detalhe: temos muitas crianças no Brasil hoje em cima do pé de goiaba. E muitas mulheres que não conseguiram descer ainda. Eu desci. E vou dizer para vocês: desci e desci diferente. A menininha do pé de goiaba tá aqui hoje, gente, ajudando a salvar crianças. Esta é minha história", acrescentou.​

Folha de S. Paulo

Exclusivos