Ethiopian Airlines. Quando chegar atrasado é sinónimo de estar vivo

Seis minutos depois de ter descolado, o Boeing 737-800 Max, da Ethiopian Airlines, despenhava-se e todas as 157 pessoas a bordo morreram

Não imaginavam ser notícia por chegarem atrasados, mas Antonis Mavropoulos e Ahmed Khalid estão agradecidos por não terem conseguido embarcar no fatídico voo do Boeing 737-800 Max, da Ethiopian Airlines.

"Estou grato por viver e por ter tantos amigos que me fizeram sentir o seu amor", escreveu o grego Mavropoulos no Facebook, onde mostrou o bilhete de avião que o levaria de Addis Abeba, capital etíope, para Nairobi, no Quénia. Seis minutos depois de ter descolado, o Boeing 737-800 Max, da Ethiopian Airlines, que Mavropoulos deveria apanhar, despenhava-se. As 157 pessoas que estavam a bordo morreram.

Presidente da associação sem fins lucrativos International Solid Waste Association, Antonis Mavropoulos ia apanhar o ET 302 da Ethiopian Airlines para participar na IV Assembleia Ambiental das Nações Unidas, em Nairobi - que começou esta segunda-feira com uma homenagem às vítimas.

O cidadão grego recorda que ficou "chateado" por ninguém o ajudar a chegar ao portão de embarque a tempo. Um atraso de dois minutos foi o que o impediu de apanhar o fatídico avião e que lhe permite contar agora a sua história.

Na altura, não escondeu a insatisfação e foi mesmo levado até à esquadra da polícia do aeroporto. "O agente disse-me para não protestar mas para rezar a Deus porque tinha sido o único passageiro a não embarcar no ET 302 que estava desaparecido", recorda na publicação que fez na rede social.

Ahmed Khalid diz, no entanto, que também devia ter embarcado no Boeing 737-800 Max. Ao canal de televisão eNCA contou como é um homem cheio de sorte. Um atraso no voo do Dubai para Addis Ababa levou-o a ter de apanhar outro avião. "Toda a gente estava a perguntar à tripulação o que estava a acontecer até que um passageiro viu no seu telemóvel que o primeiro avião se tinha despenhado, seis minutos depois de ter descolado", contou.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG