Estado Islâmico reivindica ataque no Iémen

Morreram pelo menos 30 pessoas no ataque e nos combates que se seguiram, incluindo combatentes do grupo terrorista

O ramo do grupo terrorista Estado Islâmico no Iémen reclamou a responsabilidade pelo ataque desta sexta-feira na região de Hadramawt, nesse país. Pelo menos 14 soldados do Iémen e 15 combatentes do grupo terrorista morreram nos confrontos.

Numa declaração colocada nas redes sociais e em sites de ideologia extremista, o grupo Estado Islâmico disse ter morto quase 50 soldados e polícias nesse ataque. Reivindicou o controlo de três postos do exército do Iémen, e relatou ainda a morte de um dos seus combatentes, que se fez explodir dentro de um carro.

O ataque ao posto militar foi confirmado por uma fonte das forças de segurança do Iémen, embora tenha sido inicialmente atribuído ao ramo iemenita da Al-Qaeda, que controla partes do Iémen há vários meses. Embora os grupos terroristas Estado Islâmico e Al-Qaeda tenham falado em colaborar, os dois grupos são separados e muitas vezes vistos como rivais.

O ataque ao posto militar em Hadramawt começou com um bombista suicida que se fez explodir, seguido por um ataque de 25 a 30 combatentes terroristas. A fonte das forças de segurança que falou à agência Reuters disse que ainda havia combates a decorrer na zona.

Desde o princípio deste ano que o Iémen é devastado por uma intensificação da guerra civil. Partes do país são agora controladas pela Al-Qaeda, incluindo a região de Mukalla e a zona costeira da região de Hadramawt. O ataque agora reivindicado pelo Estado Islâmico foi numa zona de Hadramawt mais a norte do que aquela controlada por este grupo.

Com Reuters

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG