Escândalo obriga comité de ética da FIFA a investigar um dos próprios membros

A declaração surge após a indicação, nos chamados Papéis do Panamá, de que Damiani tinha negócios com um dirigente uruguaio que foi detido

Um membro do comité de ética responsável por erradicar a corrupção na instituição que dirige as associações de futebol, a FIFA, está ele próprio sob uma investigação preliminar, anunciou o comité este domingo.

Juan Pedro Damiani está a ser investigado por uma possível relação de negócios com o compatriota uruguaio Eugenio Figueredo, um dos dirigentes ligados ao futebol detido em Zurique no ano passado, segundo se lê numa declaração emitida pelo comité de ética.

O juiz principal do comité, Hans-Joachim Eckert, tinha tomado conhecimento recentemente da relação entre Damiani e Figueredo, que é um antigo dirigente da Confederação de Futebol da América do Sul. O comité disse que não daria mais pormenores acerca da relação entre os dois, ou das razões que a tornam problemática.

Damiani disse à Reuters, em Montevideo, que tinha abandonado as relações de negócios com Figueredo quando ele foi acusado de corrupção. "Tinha trabalhado com ele, mas quando surgiu o problema, terminámos imediatamente a ligação profissional com ele", afirmou Damiani. "A minha firma de advogados tem 60 pessoas, não sou só eu... Até maio de 2015, Figueredo aparentava ser uma pessoa honesta".

As declarações do comité de ética surgem após a revelação de que haveria ligações entre Figueredo e Damiani nos chamados Panama Papers, uma enorme fuga de informação investigada por mais de 150 meios de comunicação de todo o mundo, sob a coordenação do Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação.

Eckert tinha informado o principal investigador do comité de ética, Cornel Borbely, que "abriu imediatamente uma investigação preliminar sobre as alegações em questão", lê-se na declaração do comité. "O Dr. Borbely está neste momento a analisar as alegações para determinar se existiu uma quebra do código de ética da FIFA, e decidir que outras medidas tomar".

A FIFA está numa fase de reconstrução após uma crise sem precedentes que levou à incriminação nos Estados Unidos de várias dezenas de dirigentes do futebol, muitos deles antigos dirigentes da FIFA. O comité de ética da FIFA tem investigado e banido vários dirigentes por conduta antiética, incluindo o antigo presidente da FIFA Sepp Blatter e o dirigente do futebol europeu Michel Platini.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG