"É preciso uma forma legal de os refugiados chegarem à Europa"

Ministro-adjunto dos Assuntos Europeus da Grécia, Nikos Xydakis, admite que proposta de acordo saída da cimeira UE-Turquia, de reenviar refugiados da Grécia para a Turquia e daí para a UE, pode suscitar questões legais mas pede que seja encontrada uma solução na cimeira de dia 17

O projeto de acordo alcançado na cimeira UE-Turquia parece-lhe um bom plano, uma vez que já foi criticado pela ONU e por várias ONG como podendo ser ilegal do ponto de vista do direito internacional?

Isso é ainda um rascunho. É preciso trabalho intenso até à cimeira de dia 17 para chegar a um texto final. Vi o que disseram ONU e ONG e há questões legais, mas a verdade é que é preciso uma solução. E a solução deve conter uma forma legal de os refugiados chegarem à Europa e encontrarem aí abrigo. Não é correto deixar esta gente nas mãos das redes de traficantes e, por isso, é preciso encontrar um compromisso entre o que diz o direito internacional e o que, na prática, pode ser feito. Há um problema, de facto, em devolver um refugiado e depois em recolocar esse refugiado. Mas politicamente é eficaz porque se envia uma mensagem muito forte dizendo às pessoas para não arriscarem a vida, não darem dinheiro aos traficantes para atravessar ilegalmente o mar da Turquia para as ilhas gregas, para confiarem neste mecanismo que se quer estabelecer. As pessoas poderão registar-se e submeter a sua candidatura. É preciso quebrar a rota ilegal. É nisso que se baseia esta proposta.

Vimos que Croácia, Eslovénia e Sérvia fecharam agora as fronteiras. Faz parte desse plano para encerrar esta rota dos Balcãs ou são meras ações unilaterais?

São ações unilaterais, claro, pois não se decidiu nada disso. Este é um problema político da UE: decide-se uma coisa e alguns países depois fazem outras coisas.

A crise dos refugiados pode acabar com o espaço Schengen?

O espaço Schengen corre perigo mas acho que o vamos salvar. Temos ao mesmo tempo que proteger o espaço Schengen e os direitos fundamentais das pessoas que tentam chegar à Europa.

Vimos alguns Estados membros, como a Áustria, culpar a Grécia por não resolver este problema. Sente que, uma vez mais, os gregos são usados como bode expiatório num problema maior da UE?

Pensei isso, mas há umas semanas. Agora acho que todos percebem que quem culpa a Grécia não tem razão. Qualquer pessoa séria que sabe o que é uma fronteira marítima sabe que não se pode matar pessoas no mar mas sim salvá-las. É assim há séculos.

Terça-feira houve um encontro cordial entre os primeiros-ministros grego e turco, que é uma imagem pouco usual. Por causa da crise dos refugiados, Grécia e Turquia são agora aliados ou apenas parceiros por conveniência?

Durante 200 anos, Grécia e Turquia tentaram, conseguindo por vezes, sentar-se à mesa e conversar. Este encontro entre governos já estava agendado há muito tempo. Falámos com a Turquia para que a readmissão de imigrantes ilegais seja mais rápida e eficaz. É um passo significativo. E concordámos que iremos tentar resolver problemas comuns. A crise migratória ajudou os dois países a aproximarem-se e a encontrar soluções.

Esta aproximação pode ser útil na resolução da questão de Chipre?

Pode ser. Não há necessidade de presença militar na ilha, mas ainda há 40 mil militares turcos, é um Exército de ocupação. Nós dizemos que os soldados devem sair. Chipre não precisa de garantias militares, seja da Turquia, da Grécia ou do Reino Unido.

Ainda sobre a Turquia. Como antigo jornalista como vê a repressão sobre os media que está em curso nesse país? A democracia está em perigo na Turquia?

É inaceitável a repressão da liberdade de imprensa. Esperamos que a aproximação da Turquia à UE ajude a democracia na Turquia. Mas este é o receio agora na UE. Não há democracia suficiente nalguns países da UE. Não é como na Turquia. Mas às vezes é parecido.

Refere-se à Hungria ou Polónia?

Há muitos sinais. Na Hungria a democracia não é algo ideal, como em Portugal, como na Grécia, como na Alemanha. Infelizmente, após muitos anos de neoliberalismo, agora a crise dos refugiados ajuda ao renascimento da extrema-direita, com um discurso de ódio contra todos. É uma perspetiva negra para a UE. É preciso lutar contra isso no século XXI.

Ter em mente a História...

Sim. Não podemos deixar a História repetir-se de forma semelhante ao período entre as duas guerras mundiais ou ao período da Guerra Fria, com vedações, muros, países e povos separados. Acho que isso já ficou para trás. Não devemos erguer mais muros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Investimento estrangeiro também é dívida

Em Abril de 2015, por ocasião do 10.º aniversário da Fundação EDP, o então primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmava que Portugal "precisa de investimento externo como de pão para a boca". Não foi a primeira nem a última vez que a frase seria usada, mas naquele contexto tinha uma função evidente: justificar as privatizações realizadas nos anos precedentes, que se traduziram na perda de controlo nacional sobre grandes empresas de sectores estratégicos. A EDP é o caso mais óbvio, mas não é o único. A pergunta que ainda hoje devemos fazer é: o que ganha o país com isso?

Premium

Jan Zielonka

A política na era do caos

As cimeiras do G20 foram criadas para compensar os fracassos das Nações Unidas. Depois da cimeira da semana passada na Argentina, sabemos que o G20 dificilmente produzirá milagres. De facto, as pessoas sentadas à mesa de Buenos Aires são em grande parte responsáveis pelo colapso da ordem internacional. Roger Boyes, do Times de Londres, comparou a cimeira aos filmes de Francis Ford Coppola sobre o clã Corleone: "De um lado da mesa em Buenos Aires, um líder que diz que não cometeu assassínio, do outro, um líder que diz que sim. Há um presidente que acabou de ordenar o ataque a navios de um vizinho, o que equivale a um ato de guerra. Espalhados pela sala, uma dúzia de outros estadistas em conflito sobre fronteiras, dinheiro e influência. E a olhar um para o outro, os dois arquirrivais pretendentes ao lugar de capo dei capi, os presidentes dos Estados Unidos e da China. Apesar das aparências, a maioria dos participantes da cimeira do G20 do fim de semana não enterrou Don Corleone, mas enterrou a ordem liberal."

Premium

nuno camarneiro

Amor em tempo de cólera

Foi no domingo à tarde na Rua Heliodoro Salgado, que vai do Forno de Tijolo à Penha de França. Um BMW cinzento descia o empedrado a uma velocidade que contrariava a calidez da tarde e os princípios da condução defensiva. De repente, o focinhito de um Smart vermelho atravessa-se no caminho. Travagem brusca, os veículos quedam-se a poucos centímetros. Uma buzinadela e outra de resposta, o rapaz do BMW grita e agita a mão direita à frente dos olhos com os dedos bem abertos, "és ceguinha? És ceguinha?" A senhora do Smart bate repetidamente com o indicador na testa, "tem juízo, pá, tem juízo". Mais palavras, alguma mímica e, de repente, os dois calam-se, sorriem e começam a rir com vontade. Levantam as mãos em sinal de paz, desejam bom Natal e vão às suas vidas.

Premium

Joel Neto

O jogo dos homens devastados

E agora aqui estou, com a memória dos momentos em que falhei, das pancadas em que tirei os olhos da bola ou abri o cotovelo direito no downswing ou, receoso de me ter posicionado demasiado longe do contacto, me cheguei demasiado perto. Tenho a impressão de que, se fizer um esforço, sou capaz de recapitular todos os shots do dia - cada um dos noventa e quatro, incluindo os cinco ou seis que me custaram outros doze ou treze e me atiraram para longe do desempenho dos bons tempos. Mas, sobretudo, sinto o cheiro a erva fresca, leite morno e bosta de vaca dos terrenos de pasto em volta. E viajo pelos outros lugares onde pisei o verde. Em Tróia e na Praia Del Rey. Nos campos suaves do Algarve e nas nortadas de Espinho e da Póvoa de Varzim. Nos paraísos artificiais de Marrocos, em meio da tensão competitiva do País de Gales e na Herdade da Aroeira, com os irmãos Barreira e o Maurício, e o Vítor, e o Sérgio, e o Abad, e o Rui, e todos os outros.

Premium

Opinião

NAVEGAR É PRECISO. Quinhentinhos

Os computadores, sobretudo os pessoais e caseiros, também nos trouxeram isto: a acessibilidade da "memória", através do armazenamento, cronológico e quantificado. O que me permite - sem esforço - concluir, e partilhar, que este é o meu texto número 500 no Diário de Notícias. Tendo trabalhado a tempo inteiro e colaborado em muitas outras publicações, "mais do que prometia a força humana", nunca tive, em quatro décadas de peças assinadas, uma oportunidade semelhante de festejar algo de semelhante, fosse pela premência do tempo útil sobre o "ato contemplativo" ou pela velocidade inusitada com que ia perdendo os trabalhinhos, nem por isso merecedores de prolongamento do tempo de "vida útil". Permitam-me, pelo ineditismo da situação, esta rápida viagem que, noutro quadro e noutras plataformas, receberia a designação (problemática, reconheça-se) de egosurfing.