"A Polónia, ao contrário da Hungria, tem uma vibrante sociedade civil"

Para o académico polaco Jan Zielonka, professor de Políticas Europeias em Oxford, o PiS de hoje é diferente do dos gémeos Kaczynski, muito devido a líderes como Duda e Szydlo

Como descreve a ideologia do Partido Direito e Justiça (PiS)? Faz sentido descrevê-lo como nacionalista, ou conservador, ou ainda populista? Ou na realidade é impossível descrevê-lo e estas etiquetas não se aplicam à força política que atualmente governa a Polónia?

Esses termos são demasiado vagos e imprecisos. Sobretudo não refletem a situação na Polónia. O PiS chama a si mesmo conservador e patriótico. Na realidade, é mais conservador no que diz respeitos aos assuntos morais e muito mais "progressista" no que se relaciona com os temas socioeconómicos.

O PiS de hoje é muito diferente do PiS que há uma década ganhou o governo e a presidência?

Sim, é um partido que está diferente. Há uma década, o PiS era liderado pelos gémeos Kaczynski e agora é encabeçado por Jaroslaw Kaczynski e por dois líderes mais jovens e provavelmente muito mais moderados: Andrzej Duda e Beata Szydlo. Jaroslaw Kaczynski até pode ter ainda o partido debaixo do seu controlo, mas Duda e Szydlo têm os mandatos eleitorais e conseguem também resultados bem melhores nos inquéritos de opinião. Além disso, muitos dos líderes tradicionais do PiS morreram no acidente de avião em Smolensk, em 2010, que matou o presidente Lech Kaczynski, e foram substituídos por um novo grupo de políticos de qualidade e características mistas e incertas.

Qual é a força do sentimento pró-União Europeia entre os polacos passados quase 12 anos sobre a adesão?

As sondagens mostram sempre um forte apoio à União Europeia, mas não em questões importantes como a adesão ao euro, a moeda única ou o sistema de imigração.

O êxito da economia polaca nos últimos anos, com o país a passar ao lado da crise financeira, tem servido para construir uma sociedade mais justa?

Deve sublinhar-se que as desigualdades na Polónia são menos pronunciadas do que, por exemplo, dos países da Europa do Sul. Mas não deixam de ser importantes. E na realidade, uma das várias razões por trás do sucesso eleitoral do PiS tem que ver com a sua promessa de justiça social.

Têm sido feitas comparações entre a Polónia do PiS e a Hungria de Viktor Orban. Concorda? Vê algum padrão?

Kaczynski e Orban encontraram-se recentemente, mas os dois nunca foram amigos próximos nos anos recentes, mais não seja por causa dos estreitos laços entre o líder húngaro e a Rússia de Vladimir Putin. Os políticos do PiS estudaram e ocasionalmente admiraram as políticas domésticas do Fidesz, mas a Polónia é um país muito diferente da Hungria. A Polónia, ao contrário da Hungria, não enfrentou uma crise económica na última década. Em vez disso, a sua economia cresceu mais de 20%. Também não há um partido fascista no Parlamento polaco semelhante ao húngaro Jobbik e os políticos polacos não fazem reivindicações territoriais como alguns dos seus colegas húngaros. Por último, mas não menos importante, a Polónia, ao contrário da Hungria, possui uma vibrante sociedade civil que tem exigido aos seus governantes o respeito pelos princípios básicos de justiça e democracia.

Refere-se às recentes manifestações contra o PiS?

Sim, a recente vaga de protestos de rua um pouco por toda a Polónia comprova a força da sociedade civil.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.