Mesquitas fechadas levam angolanos a realizar Ramadão na RDCongo

"É uma violação da nossa liberdade de culto", denuncia o secretário da comunidade muçulmana da província leste de Angola, António Muhalia.

Mais de dez mil muçulmanos angolanos da Lunda Norte anunciaram este sábado a realização do Ramadão, mês sagrado do Islão, na RDCongo, devido à "insensibilidade das autoridades locais" que encerraram, até fevereiro, as 39 mesquitas da província.

Em declarações à Lusa, o secretário da comunidade muçulmana na província, leste de Angola, António Muhalia, adiantou que duas solicitações para reabertura das mesquitas foram endereçadas ao governador provincial sem, no entanto, "qualquer parecer favorável".

"Na primeira solicitação as autoridades apenas recordaram que estão canceladas todas as atividades dos muçulmanos aqui na província e não podem reabrir nenhuma mesquita e a segunda solicitação demos entrada ontem [sexta-feira] e ainda não tivemos resposta", explicou.

"Também já informámos ao governo da província que vamos à República Democrática do Congo para fazermos o nosso jejum porque o Ramadão começa no domingo e estamos a pensar viajar na segunda-feira", acrescentou.

A comunidade islâmica na província da Lunda Norte "não exerce o seu direito de culto", desde fevereiro passado, período em que os mais de dez mil muçulmanos viram encerradas pelas autoridades, no quadro da Operação Resgate, as 39 mesquitas da província, segundo fonte da comunidade.

"Infelizmente estão encerradas no total 39 mesquitas, a maior parte aconteceu em 2018 e este ano mais duas foram encerradas. Não estamos a rezar e estamos impedidos de fazer os cultos", disse anteriormente à Lusa, António Muhalia.

O Ramadão, mês sagrado do Islão, no qual a maioria dos muçulmanos pratica o ritual de jejum, começa no domingo, 5 de maio, e termina dia 4 de junho.

Hoje, o líder islâmico fez saber que, na sequência do encerramento das mesquitas, os muçulmanos estão também impedidos de realizar o Ramadão "inclusive com ameaças de prisão".

"É uma violação da nossa liberdade de culto e, deste modo, não teremos outra opção a não ser emigrarmos para a RDCongo para realizarmos as nossas orações, porque as autoridades estão insensíveis às nossas solicitações", lamentou.

A religião islâmica ainda não é reconhecida pelas autoridades angolanas, mas noutras províncias angolanas, como na capital do país, as atividades dos muçulmanos "decorrem na normalidade".

A ministra da Cultura de Angola, Carolina Cerqueira, anunciou em janeiro, no parlamento, durante a discussão na especialidade da Lei sobre a Liberdade de Religião, Crença e Culto, que o Governo "acompanha a evolução do islamismo no país" e que vai tomar em breve uma posição.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.