Em 3 minutos o PMDB, maior aliado de Dilma, deixou coligação

O maior partido do Brasil anunciou esta terça-feira que vai deixar a coligação e o governo da presidente Dilma Rousseff.

O PMDB do vice-presidente Michel Temer demorou três minutos para decidir por aclamação deixar a base de apoio do governo de Dilma Rousseff. "Fora PT" e "Brasil, para a frente, Temer presidente", gritaram os deputados presentes na reunião.

A moção aprovada na reunião que decorreu em Brasília determina a entrega de todos os cargos ocupados por membros do PMDB no governo, bem como a instauração de um processo no Conselho de Ética do partido contra quem permanecer no cargo.

Esta decisão foi tomada após uma reunião entre Temer e o presidente do Senado, Renan Calheiros, considerado pela Folha de São Paulo como o "último bastião" do "governismo" no PMDB.

Apesar dos apelos da presidente Dilma Rousseff e do antecessor, Lula da Silva, nomeado ministro da Casa Civil e suspenso por decisão do Supremo Tribunal Federal, o governo não conseguiu conter a debandada do PMDB que já se tinha materializado na demissão do ministro do Turismo, Henrique Alves.

O abandono do PMDB coloca em causa o futuro político de Dilma Rousseff, que enfrenta um processo legislativo com vista à sua demissão e precisava do apoio do seu principal parceiro de coligação no governo.

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.