Elton John: "Sou um europeu. Não um estúpido imperialista inglês"

Cantor disse durante um concerto em Verona, parte da sua última digressão mundial, que está "farto" do tema do Brexit e "envergonhado" com a conduta do seu país neste caso

Os fãs que assistiram ao concerto de Elton John em Verona, nesta quarta-feira, tiveram direito a um "extra" inesperado, quando o cantor decidiu fazer em palco um pequeno comício contra o Brexit e a forma como o seu país tem gerido todo o processo, da votação ao interminável braço-de-ferro político sobre as condições da saída da União Europeia.

"Tenho vergonha do meu país pelo que fez. Dividiu as pessoas", disse o autor de Yellow Brick Road, num desabafo citado pelo The Guardian . "Estou completamente farto de políticos, especialmente políticos britânicos. Estou completamente farto do Brexit. Sou um europeu. Não sou um estúpido, colonial, idiota, imperialista inglês".

Como recorda o jornal britânico, esta não é a primeira vez que Elton John critica abertamente o Brexit. Em julho de 2018 considerou que não foi contada a verdade à população do seu país sobre as implicações da saída, e que lhes foi prometido algo que era "completamente ridículo e que não era economicamente viável".

Elton John - cuja vida foi recentemente documentada no filme Rocketman - está a realizar aquela que anunciou como a última digressão mundial da sua carreira. Na agenda tem previstos vários concertos no Reino Unido: já em junho estará em Hove e Cardiff e, em novembro, deverá fazer mais 18 atuações no seu país.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.