Eleições catalãs geram divisões no Podemos, em queda nas sondagens

Albano-Dante Fachin, líder do Podem da Catalunha, e Pablo Iglesias em rota de colisão por causa de alianças

O líder do Podemos catalão (Podem), Albano-Dante Fachin, acusou o secretário-geral de ter uma atitude igual à do primeiro-ministro espanhol quando convocou uma consulta sobre uma aliança eleitoral com a formação Catalunha em Comum à sua revelia. "Pablo Iglesias intervém no Podem da mesma forma que Mariano Rajoy intervém na Catalunha", disse.

A cisão surge depois de, no domingo à noite em Barcelona, o Podem decidir abrir uma ronda de contactos com "as organizações políticas e sociais comprometidas com os valores democráticos e o direito a decidir para o povo catalão". Isso significava que Fachin estava aberto ao diálogo com todos os independentistas, defendendo uma "frente unida" contra a intervenção de Madrid na Catalunha.

À mesma hora, em Madrid, o Podemos assumia o controlo e convocava uma consulta às bases, para saber se estas apoiam uma coligação com o Catalunha em Comum e as forças políticas que não apoiam nem a declaração de independência nem a aplicação do artigo 155.º. Iglesias defende a ligação ao partido da presidente da câmara de Barcelona, Ada Colau, mas Fachin alegou antes que não havia condições para tal. Iglesias está ainda descontente com a atuação dos deputados catalães, que não informaram do sentido de voto no debate da proclamação da independência, dizendo que há "companheiros que estão mais próximos da Candidatura de Unidade Popular [CUP, radicais] e da Esquerda Republicana [ERC]".

O Podemos, que é a favor de um referendo negociado com Madrid mas contra a independência, não exclui um governo "tripartido" com os socialistas catalães e a ERC após as eleições, deixando sempre de lado a questão independentista. A nível nacional, a aparente dubiedade do Podemos reflete-se nas sondagens: na Sigma Dos, para o El Mundo, cai de 21,1% nas eleições de 2016 para 16,7%, sendo inclusive ultrapassado pelo Ciudadanos, que sobe de 13,1% para 16,7%. Socialistas também sobem e PP cai ligeiramente.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG