Número de casos do Ébola na República Democrática do Congo sobe para 132

Balanço anterior do ministério da Saúde congolês, divulgado a 6 de setembro, dava conta de a epidemia no leste do país ter causado 88 mortes

O número de casos de Ébola registados na República Democrática do Congo (RDCongo) aumentou para 132, dos quais 101 confirmados e 31 prováveis, segundo o balanço mais recente, divulgado esta segunda-feira pelo Ministério da Saúde daquele país.

A situação afeta sobretudo a província do Norte-Kivu e sobre os 101 casos, adianta o mesmo comunicado, de 09 de setembro, 60 pessoas morreram e 36 estão a ser tratadas. Nove casos suspeitos de ébola estão ainda em investigação.

Segundo o balanço, há também um novo caso confirmado em Butembo. Trata-se de um homem cuja esposa era um dos casos confirmados de Ébola em Mandima. Os testes realizados aquele cidadão, com base em análises de sangue, revelaram-se negativos, mas o vírus ébola foi identificado no seu esperma.

"O homem ficou doente durante o mês de agosto e foi internado no centro de saúde de Makeke, na zona de saúde de Mandima (Ituri). A transferência para o centro de tratamento de ébola (CTE) de Mangina foi recusada, ele ficou em Butembo e o seu estado de saúde está a evoluir favoravelmente", adianta o comunicado.

Em Beni, mais uma pessoa morreu e uma outra pessoa está ainda em tratamento.

O Ministério da Saúde adianta ainda na mesma nota que "a fim de evitar que o número total de casos varie (entre altos e baixos) diariamente, os casos suspeitos estão a ser tratados numa categoria em separado.

De acordo com o anterior balanço do ministério, divulgado a 06 de setembro, a epidemia de Ébola no leste da RDCongo já tinha causado 88 mortes, duas das quais registadas pela primeira vez em Butembo, importante centro comercial com cerca de um milhão de habitantes.

Os dois primeiros casos de mortes confirmados em Butembo, um centro de intercâmbio comercial da RDCongo com países vizinhos, como o Uganda, eram uma mulher e um cuidador que esteve em contacto com ela, indicou o Ministério da Saúde da RDCongo.

A mulher tinha fugido de Beni, outra zona atingida, a 50 quilómetros de Butembo, onde "recusou cooperar com as autoridades sanitárias após ficar doente", precisaram as autoridades sanitárias.

O ministro congolês da Saúde, Oly Ilunga Kalenga, deslocou-se a 06 de setembro a Butembo. "No total, temos 129 casos e 88 mortes até ao momento", disse então à imprensa, antes de partir para Butembo.

Este balanço pode chegar à cifra de 89 mortes ao final do dia, precisou o ministério.

Para o ministro, observa-se "a segunda vaga de casos, que são provavelmente casos já em incubação no momento em que foi iniciada a resposta", em agosto.

"Esta segunda vaga está ligada a pessoas que escaparam à vigilância da primeira vaga, a pessoas que manifestaram resistência às nossas mensagens. Penso que os focos de resistência estão identificados", acrescentou.

As autoridades contactaram de novo os habitantes de um bairro do Beni, que manifestaram resistência às medidas de prevenção anti Ébola.

A preocupação aumentou de nível na sequência da anterior epidemia na outra extremidade da RDCongo, na província de Equador, onde um caso foi registado na capital regional, Mbandaka, também um grande um entreposto comercial com cerca de um milhão de habitantes.

Este novo foco não aumentou a propagação do vírus.

O fim do surto anterior daquela febre hemorrágica na RDCongo, foi decretado a 24 de julho, com um balanço total de 33 mortes.

No balanço de 9 de setembro o Ministério da Saúde acrescenta que recebeu um alerta de fébre hemorrágica de Kisangani. "Trata-se de três jovens raparigas de uma mesma família que vieram de férias de Mambasa, uma vila vizinha da zona de saúde de Mandima, onde nove casos confirmados de Ébola foram registados", refere. Mas os três testes foram enviados parta o laboratório de Beni para análise e os resultados foram negativos.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.