É já para a semana, diz Trump: Estado Islâmico erradicado

A Síria e o Iraque estão prestes a tornar-se territórios "100 por cento" libertados da presença do Estado Islâmico, anunciou o Presidente dos EUA.

"Deve ser anunciado, provavelmente na próxima semana, que teremos 100% do califado", disse Donald Trump ontem, em Washington, numa reunião com parceiros da coligação internacional anti Estado Islâmico (aliança que mobiliza cerca de 80 países).

O inquilino da Casa Branca introduziu no entanto uma nota de prudência: "É preciso esperar pelo anúncio oficial."

Responsáveis militares e dos serviços de informações dizem no entanto que aquela organização terrorista pode reaparecer se não for pressionada por ações de contraterrorismo.

Trump chocou a coligação internacional anti Estado Islâmico quando declarou que a organização estava derrotada, preparando-se assim os EUA para retirar totalmente os seus militares do terreno em 30 dias. Depois de várias reações negativas na hierarquia militar, o Presidente norte-americano moderou esta promessa.

"Por um período de tempo eles usaram a internet melhor do que nós. Usaram a internet brilhantemente mas agora já não é tão brilhante"

"Ficaram sem território. O califado do ISIS foi dizimado", disse Trump aos parceiros da coligação internacional (formada em 2014). Acrescentando, no entanto, que a organização ainda tem "pequenos grupos" operativos, os quais "podem ser perigosos". O inquilino da Casa Branca disse ainda ser imperativos que os estrangeiros ao serviço do Estado Islâmico "não ganhem acesso aos EUA".

Trump falou também do uso que o ISIS deu à sua máquina de propaganda através da internet. "Por um período de tempo eles usaram a internet melhor do que nós. Usaram a internet brilhantemente mas agora já não é tão brilhante", acrescentou.

O líder norte-americano agradeceu aos parceiros da coligação internacional, garantindo: "Trabalharemos juntos durante muitos anos."

Mike Pompeo, secretário de Estado (MNE) na Administração Trump, assegurou que os EUA vão continuar a combater o Estado Islâmico, apesar da retirada militar norte-americana da Síria.

Segundo explicou, essa retirada é só "uma mudança tática e não uma alteração da missão". A jihad - disse ainda - está agora a entrar na "era da descentralização".

Haverá 1500 combatentes ativos numa bolsa de 52 quilómetros quadrados na fronteira da Síria com o Iraque

Sendo certo que o EI já perdeu o controlo de praças-fortes como Mossul (Iraque) e Raqqa (Síria), a verdade é que prosseguem combates no nordeste da Síria. Nas últimas semanas as Forças Democráticas Sírias (um organização militar liderada por curdos) disse que capturou dezenas de estrangeiros que estavam ao serviço do Estado Islâmico.

Na terça-feira, o general norte-americano Joseph Votel, chefe do Comando Central dos EUA, disse num comité do Senado o Estado Islâmico ainda tinha 1500 combatentes ativos numa bolsa de 52 quilómetros quadrados na fronteira da Síria com o Iraque.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.