Avistamento de drone suspende partidas de Heathrow durante hora e meia

Aeroporto londrino está a trabalhar com autoridades para evitar ameaças à segurança. Voos retomaram entretanto

"Como medida de precaução, paramos as descolagens enquanto estamos a investigar. Pedimos desculpas aos passageiros por qualquer inconveniente", afirmou à BBC uma porta-voz do aeroporto de Heathrow.

Após o avistamento de um drone junto às pistas, os responsáveis pelo aeroporto londrino estão a trabalhar com as autoridades para evitar qualquer ameaça à segurança. Os voos foram entretanto retomados

Este incidente surge pouco depois de em dezembro o avistamento de vários drones ter obrigado a encerrar o aeroporto de Gatwick, também em Londres.

Segundo o The Guardian, o site FlightRadar mostra que os aviões continuam a poder aterrar no aeroporto mais movimentado do Reino Unido.

A polícia metropolitana anunciou ter recebido relatos sobre o avistamento de um drone junto a Heathrow por volta das 17.05.

Depois de um caso semelhante ter mantido no solo mais de mil voos, o aeroporto anunciou ter investido cinco milhões de libras para evitar ataques futuros. Heathrow confirmou também ter adquirido sistemas para prevenir a entrada de drones no seu espaço aéreo.

Em 2017 passaram por Heathrow 78 milhões de passageiros, o que perfaz mais de 200 mil por dia.

Em atualização

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.