Trump é "um grande embaraço" para os EUA, diz Bruce Springsteen

Músico diz que o candidato à Casa Branca sabe dizer aos eleitores o que eles querem ouvir

O músico norte-americano Bruce Springsteen descreveu Donald Trump como um "grande embaraço" para os Estados Unidos (EUA), apelidando o candidato presidencial republicano de demagogo com soluções simples.

Springsteen, que tem dramatizado a situação da classe operária norte-americana nas suas músicas, disse entender como Trump pode parecer "atraente" para as pessoas que são economicamente frágeis.

"O absurdo vai além dos 'cartoons'. Mas ele [Trump] está perto o suficiente [da Casa Branca], e isso pode deixar-nos nervosos", afirmou o artista durante uma entrevista concedida ao Skavlan, um 'talk show' difundido na Noruega e na Suécia.

E atirou: "Eu não acho que ele vá ganhar, mas só o facto de estar na corrida é um grande embaraço se fores americano".

Segundo o músico, Trump sabe dizer aos eleitores "algumas das coisas que eles querem ouvir", incluindo às pessoas "desconfortáveis com o escurecimento da América".

Springsteen realçou que há certos problemas nos EUA, como a "tremenda desigualdade na distribuição da riqueza", que abrem caminho para a demagogia.

O artista gravou a entrevista antes do lançamento na próxima semana do seu livro de memórias "Born to Run" (Nascido para Correr), que descreve a sua infância em Nova Jersey e a sua ascensão à fama.

O cantor da música "Born in the USA", famoso pelo seu carisma no placo, insistiu durante vários anos que devia ser a sua música a falar por si, mas assumiu uma postura mais ativa a nível político desde as eleições presidenciais de 2004, quando fez campanha por John Kerry, que viria a perder a batalha pela Casa Branca para George W. Bush.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.