Donald Trump anuncia no Twitter demissão da responsável pela segurança nacional

Kirstjen Nielsen foi chamada à Casa Branca para uma reunião com o presidente norte-americano. Quando pensava que ia discutir questões relacionadas com a imigração e as fronteiras acabou por ser demitida. Kevin McAleenan vai ocupar o cargo.

Numa publicação na rede social Twitter o presidente norte-americano anunciou que Kirstjen Nielsen tinha deixado este domingo de ser a secretária do Departamento de Segurança Interna dos EUA. Ao post onde agradece o trabalho de Nielsen seguiu-se outro em que adiantou que será substituída por "Kevin McAleenan, atual responsável do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras dos EUA. Que, estou confiante, fará um bom trabalho".

De acordo com a CNN Nielsen tinha ido à Casa Branca para uma reunião que serviria para discutir com Trump questões relacionadas com a imigração e não pensaria que iria deixar o cargo.

Segundo as fontes da estação de televisão norte-americana, o presidente Trump estava a ser pressionado para efetuar mudanças pois não existiriam desenvolvimentos nas leis de asilo com as quais pretende impedir os imigrantes da América Central de entrar nos EUA.

Já fontes próximas de Nielson contaram à CNN que esta responsável teria ido falar com Donald Trump depois de ter sido avisada de que estavam a ser preparadas mudanças, nomeadamente para a direção do departamento de Imigração e Controle Alfandegário.

A intenção do presidente em querer cortar a ajuda a alguns países da América Central também não era bem aceite pela agora ex-responsável pela Segurança Interna, principalmente quando Nielsen tinha visitado as Honduras e assinado um acordo de cooperação com este país, El Salvador e a Guatemala. Este compromisso foi criticado por Trump, que pretende cortar os apoios a estes países.

Nielsen fez parte da administração do presidente George W. Bush e nunca escondeu o ceticismo sobre lealdade em relação a Trump. Chegou a esta administração com o cargo de chefe de equipa de John Kelly, o primeiro secretário de Segurança Interna de Trump.

Exclusivos