Dois polícias mortos por islamitas radicais no sul da Rússia

Grupo de islamitas radicais disparou contra polícias no dia do atentado no metro

Dois agentes da polícia russa foram mortos por islamitas em Astrakhan, no sul da Rússia, na noite de segunda-feira, num ataque a tiro que ocorreu no mesmo dia de um atentado à bomba no metro de São Petersburgo.

"Na noite passada um grupo de islamitas radicais (...) cometeu um ataque contra membros da polícia de trânsito", indicou em comunicado o governador da região de Astrakhan, Alexandre Jilkine.

Os atacantes "abriram fogo [contra os polícias] e fugiram", indicou a mesma fonte, acrescentando que os "dois agentes morreram no local".

Segundo a polícia regional de Astrakhan, o atentado ocorreu às 22:00 de segunda-feira (hora de Lisboa), quando os polícias chegaram ao local de um acidente de viação. Os atacantes estavam numa das viaturas acidentadas.

Desconhecem-se, por enquanto, os motivos por detrás do atentado.

Situada na costa do Mar Cáspio, a região de Astrakhan faz fronteira com o Daguestão, república do Cáucaso atualmente bastante instável e onde está ativa uma rebelião islamita.

Os ataques deste tipo, bem como os confrontos com as autoridades, são frequentes no Cáucaso, mas são bastante mais raros nas outras regiões russas.

Astrakhan fica cerca de 1.500 quilómetros a Sudeste de Moscovo.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.