Dois palestinianos morreram em ataque israelita na Faixa de Gaza

Isralietas lançaram cerca de 200 "rockets" no sábado.

Dois combatentes da Jihad Islâmica morreram este domingo num ataque israelita sobre a Faixa de Gaza, anunciou o grupo armado palestiniano que reivindicou o lançamento de foguetes dos últimos dias contra o estado hebreu. Mahmud Issa e Fawzy Bawdy morreram "num bombardeamento no centro da Faixa de Gaza", segundo a Jihad Islâmica.

Seis palestinianos e um israelita morreram desde sábado numa nova escalada de violência entre Israel e os movimentos armados palestinianos em Gaza.

Cerca de 200 rockets foram disparados no sábado do território palestiniano para Israel, motivando ataques de represália que provocaram pelo menos três mortos palestinianos, incluindo um bebé de 14 meses. Entretanto, o exército israelita desmentiu hoje ter morto o bebé palestiniano e a mãe deste, sublinhando que os dois foram vítimas de armas utilizadas pelo Hamas.

Centenas de mísseis foram intercetados pelo sistema de defesa antimíssil israelita 'Cúpula de Ferro', outros caíram em espaços abertos e foram retirados por efetivos da polícia, que aumentou as medidas de segurança na zona sul e a presença de patrulhas nas cidades, informou um comunicado da polícia israelita.

Em resposta aos lançamentos, "tanques do exército israelita atacaram várias posições militares pertencentes à organização terrorista Hamas", depois da força aérea israelita ter atacado duas rampas de lançamento de foguetes no enclave palestiniano, anunciou o exército israelita.

Esta escalada de violência segue-se às manifestações de sexta-feira, as mais violentas das últimas semanas, desde se iniciaram em março do ano passado, para reivindicar o regresso dos refugiados e o fim do bloqueio.

Na sexta-feira morreram dois palestinianos, abatidos pelos disparos de tropas israelitas estacionadas na zona divisória.

Israel, que como a União Europeia ou os Estados Unidos, considera o Hamas uma organização terrorista, mantém o enclave sob bloqueio desde que os islamitas assumiram o poder em 2007 e responsabiliza-os pela violência procedente da Faixa de Gaza.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.