Dois filhos de José Eduardo dos Santos no Comité Central do MPLA

Isabel do Santos fica de fora da lista para o comité do MPLA apesar de ter sido apontada como a sucessora de José Eduardo dos Santos

José Filomeno dos Santos e Welwistchea dos Santos, filhos do Presidente angolano José Eduardo dos Santos, integram a lista de nomes propostos para o Comité Central do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), ficando de fora Isabel dos Santos.

A informação foi dada por fontes do partido à margem da reunião extraordinária do Comité Central do Movimento Popular de Libertação de Angola, que está a decorrer em Luanda para preparação do VII congresso ordinário, que arranca a 17 de agosto e que aprovará a recandidatura de José Eduardo dos Santos ao cargo e a lista com os 363 nomes àquele órgão deliberativo.

A empresária Isabel dos Santos, filha mais velha do chefe de Estado angolano, que a nomeou para o cargo de presidente do conselho de administração da petrolífera estatal Sonangol, ficou de fora desta lista, apesar de ter sido apontada, até agora, como potencial candidata à sucessão de José Eduardo dos Santos.

O presidente do Movimento Popular de Libertação de Angola e chefe de Estado há 36 anos, anunciou em março último que deixa a vida política ativa em 2018, quando completará 76 anos, mas sem concretizar até agora como será feita a transição ou se pretende ainda concorrer às próximas eleições gerais, dentro de um ano.

José Filomeno dos Santos (conhecido como 'Zenú'), de 38 anos, é proposto pela estrutura da juventude do partido, a JMPLA. Fundou um banco em Angola em 2008, depois de fazer a formação académica na Europa, e lidera desde 2013 - também por nomeação do chefe de Estado - o Fundo Soberano de Angola, cuja carteira de investimentos públicos ascende a 5.000 milhões de dólares.

Welwistchea dos Santos (conhecida como 'Tchizé'), também com 38 anos, é uma empresária e militante ativa do MPLA, integrando a lista ao Comité Central proposta pela estrutura feminina do partido, a Organização da Mulher Angolana (OMA).

José Filomeno dos Santos tem sido recorrentemente apontado como possível sucessor do pai no partido, mas descartou anteriormente objetivos políticos.

O presidente do MPLA anunciou hoje, no discurso de abertura da reunião, uma renovação nos mais de 300 membros do Comité Central do partido que governa Angola desde 1975, mas abaixo do previsto.

"A comissão de candidaturas elaborou a lista dos candidatos que o Bureau Político apresentará ao Comité Central, para que a submeta ao VII congresso do MPLA, com vista à sua eleição. Foi observado o princípio da continuidade e renovação dos atuais membros do Comité Central, embora as percentagens preconizadas ficassem ligeiramente aquém do previsto", reconheceu José Eduardo dos Santos.

Em novembro do ano passado, o líder do MPLA tinha anunciado a renovação de 45 por cento dos cargos de direção, nos vários escalões previstos nos estatutos do partido.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.