Dois homens heterossexuais casaram-se para evitar impostos

Este foi o segundo casamento de O"Sullivan e o primeiro de Murphy

Dois homens irlandeses casaram-se esta sexta-feira para evitar pagar cerca de 50 mil libras (56 mil euros) em impostos. O que tem este casamento de especial? Matt Murphy, de 83 anos, e Michael O"Sullivan, de 58, são ambos heterossexuais e amigos de longa data: decidiram casar-se quando descobriram quanto O"Sullivan iria ter de pagar para herdar a casa do amigo mais velho, conta o The Guardian.

Matt Murphy tenciona deixar a casa ao amigo, que é também quem cuida dele. "Conheço o Matty há 30 anos. Ficámos muito amigos quando me separei da segunda vez", contou O"Sullivan ao Irish Mirror.

Ao longo desses 30 anos passaram por momentos difíceis: O"Sullivan chegou a viver na rua e Murphy sofreu vários problemas de saúde. Há alguns anos o mais novo passou uns dias em casa de Murphy e acabou por ficar com ele e a tomar conta dele. Como o idoso não tinha dinheiro para pagar a um cuidador, concordaram que O"Sullivan podia fazer esse trabalho e ficar com a casa.

No entanto, os dois amigos perceberam depois que, para herdar a casa, O"Sullivan teria de pagar uma elevada quantia em impostos e que seria mesmo obrigado a vender a casa. A solução foi... casarem, já que o casamento entre pessoas do mesmo sexo é possível desde 2015.

"A igualdade pela qual as pessoas gays e lésbicas lutaram arduamente neste país, depois de terem sido discriminados, conseguiram-na para eles mas também para os outros", elogia O"Sullivan.

Segundo um ex-ministro da Justiça irlandês, Michael McDowell, disse ao Irish Times, o casamento é "perfeitamente legal".

Este foi o segundo casamento de O"Sullivan e o primeiro de Murphy. A cerimónia decorreu num registo civil em Dublim, seguida por um almoço num bar.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.