DJ brasileiro morre em festival após queda da estrutura do palco

O DJ brasileiro foi transportado para o hospital, onde acabou por morrer, não resistindo aos ferimentos

Um DJ brasileiro morreu no domingo, após um temporal ter levado à queda da estrutura metálica do palco onde atuava, num festival que decorria no Parque Estadual de Exposições Assis Brasil, em Esteio, no estado do Rio Grande do Sul, no Brasil. A vítima, Kaleb Freitas, tinha 30 anos.

Segundo a mãe da namorada do artista, citada pelo Globo, a filha foi a primeira a retirar Freitas de debaixo da estrutura. "Foi muito triste o que aconteceu. A pessoa tão jovem, feliz com o trabalho, morrer assim. Foi uma tragédia", acrescentou.

O DJ brasileiro foi transportado para o Hospital São Camilo de Esteio, onde acabou por morrer, não resistindo aos ferimentos. Três outros feridos foram igualmente levados para o mesmo estabelecimento.

Um vídeo captou o momento em que a estrutura acabou por desabar.

O Corpo de Bombeiros, em declarações ao Globo, referiu que a estrutura estava preparada para suportar ventos de 80 quilómetros por hora e, segundo o coordenador da Defesa Civil de Esteio, Alexandre Camboa, a velocidade do vento era de 55 quilómetros por hora no momento em que o temporal atingiu o festival.

"Não é o vento mais forte que tivemos, o problema é que as pessoas não observam a previsão do tempo para fazer este tipo de evento, e depois acontecem casos como este", afirmou. "Desde quinta[-feira] que se está a alertar para vento fortes, granizo e chuvas torrenciais", refere o coordenador.

Os fãs do músico lamentaram o incidente nas redes sociais, assim como a organização do festival, que emitiu uma nota oficial no Facebook: "Sempre prezamos pela segurança do nosso público, seguindo todos os processos, laudos e autorizações solicitadas pelas autoridades locais", pode ler-se. "Estamos desolados, perdemos um amigo, um artista. Nossa prioridade é dar assistência aos feridos e suas famílias".

As autoridades estão a investigar o caso.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.