Dissidente chinês critica Governo e é preso em direto

O professor de Física criticava os vultuosos investimentos governamentais em África. Já fora detido várias vezes, mas desta vez ninguém sabe do dissidente.

Sun Wenguang estava a falar em direto numa entrevista a uma rádio difundida pela Voz da América quando a polícia chinesa invadiu a sua casa para o prender. As últimas palavras que pronunciou foram: "Tenho liberdade de expressão." Desde esse momento que ninguém sabe dele.

O histórico de ativista do professor Sun contra os altos dirigentes já não é de agora, com 84 anos, pois nos anos 1960 e 1980 esteve detido devido a ter criticado o Presidente Mao Tsé Tung, bem como foi um dos primeiros signatários do manifesto Carta 08 que defendia a mudança política no seu pais e a renovação do tempo de mandato do atual dirigente, Xi Jinping, bem como os investimentos chineses no estrangeiro em vez de propiciar o desenvolvimento interno.

Antes das últimas palavras do professor de Física, quem escutava a emissão ouviu os barulhos da invasão domiciliária dos polícias da cidade de Jinan, tendo Sun dito em voz alta: "Aqui estão eles: são sete, são oito... O que disse errado desta vez? Quem me ouviu tem essa opinião?" A partir desse momento, Sun deixou de ser ouvido e ninguém sabe do seu paradeiro.

Na emissão ainda se ouviu o professor Sun dizer: "O que estão a fazer? É ilegal entrarem na minha casa, Eu tenho liberdade de expressão." Mas não se ouviram mais críticas aos gigantescos investimentos chineses em África que, alega Sun, retiram da China os meios para o seu próprio crescimento.

Segundo o Observatório dos Direitos Humanos o professor Sun demonstra o estado real dos direitos humanos na China, neste caso sob prisão e sem qualquer informação pública sobre onde está e até quando o manterão preso e desaparecido.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG